dicionário não é lei

Um atônito leitor escreve para compartilhar o espanto que sentiu ao ver que os nossos dois mais importantes dicionários divergem quanto ao adjetivo referente aos EUA: o Aurélio registra só estadunidense, enquanto o Houaiss prefere estado-unidense. Ora, se a essência do dicionário é descrever o atual estágio de nosso idioma, como é que a descrição desses dois autores não é idêntica, neste caso? A resposta, meu caro, aponta para um princípio fundamental da lexicografia, desconhecido de muitos, e que poderá causar surpresa, desânimo ou até indignação entre os leitores menos informados: por mais que o dicionário se esforce por fazer uma descrição objetiva e imparcial da língua, suas páginas estão repletas de julgamentos, crenças e preconceitos do seu autor.

A variedade de informações é gigantesca: além do simples significado do vocábulo, o dicionário registra também a sua grafia, a sua pronúncia, o gênero a que pertence (masculino ou feminino), a sua flexão, a separação de sílabas, a existência de formas variantes, o nível sócio-cultural em que o vocábulo é empregado, e outras mais. O lexicógrafo procura registrar democraticamente tanto o velho quanto o novo, tanto o solene quanto o coloquial, tanto o geral quanto o regional — mas não consegue ocultar, a cada linha, a cada verbete, a sua posição pessoal sobre aquilo que está descrevendo. Houaiss registra tanto cotidiano quanto quotidiano como formas perfeitamente aceitáveis; ao colocar, porém, a definição do vocábulo junto a cotidiano (enquanto em quotidiano há apenas uma simples remissão à outra forma), ele está declarando sua preferência. Se Aurélio coloca, entre parênteses, a indicação “(é)” junto ao vocábulo grelha, é porque essa é a pronúncia que ele prefere (embora, com imparcialidade, indique, no final do verbete: “É corrente, em boa parte do Sul do Brasil, a pronúncia de grelha com e fechado”). E assim por diante: a cada passo, o autor é obrigado a tomar decisões, o que significa dizer que dicionários como o Houaiss ou o Aurélio não são descrições neutras e objetivas de nossa língua, mas sim o conjunto de preferências lingüísticas do cidadão Houaiss ou do cidadão Aurélio. Portanto, tudo que está no dicionário é opinião — é claro que é uma opinião abalizada, de profissionais que dedicaram sua vida ao estudo das palavras, mas não deixa de ser opinião.

Os lexicógrafos sabem que podem coexistir, num mesmo momento histórico, diferentes comportamentos lingüísticos que os falantes cultos consideram aceitáveis, o que vai dar, para quem deseja escrever corretamente, uma razoável margem de escolha. Essas diferentes soluções convivem umas com as outras e disputam a nossa preferência; são incontáveis as situações em que podemos optar entre duas formas corretas. Um rápido passeio pelo Houaiss e pelo Aurélio nos mostra que é livre a escolha entre abdômen ou abdome, gérmen ou germe, regímen ou regime (as formas sem o n são mais modernas); atenazar ou atazanar, destrinçar ou destrinchar (a primeira forma de cada par é a variante mais culta); amígdala ou amídala, óptico ou ótico, seção ou secção; catorze ou quatorze, quota ou cota; monstrengo ou mostrengo (preferida por Houaiss); taberna ou taverna, assobio ou assovio (as formas com B têm mais prestígio); bêbado ou bêbedo, hemorróida ou hemorróide; cosmos ou cosmo, bílis ou bile, diabete ou diabetes, húmus ou humo. Também podemos escolher entre incontinente (Houaiss), incontinenti (Aurélio 2ª edição, a última em vida do autor) ou incontinênti (Aurélio-XXI); entre álcoois (Aurélio-vivo e Houaiss) ou alcoóis (Aurélio-XXI); entre o clitóris (Aurélio-vivo) ou a clitóride (Aurélio-XXI) — Houaiss fica em cima do muro, dizendo que a clitóride é “a forma mais correta, mas a menos usada”. Aurélio-vivo e Houaiss preferem malformação,Aurélio-XXI enquanto o prefere má-formação. Para minha surpresa, os dois Aurélios dão balde como feminino, enquanto Houaiss dá como masculino. Podemos decidir, ainda, se vamos escrever marcha à ré (Aurélio-vivo) ou marcha a ré (Aurélio-XXI e Houaiss ), pôr-do-sol (ambos os Aurélios) ou pôr do sol (Houaiss) — e por aí vai a valsa.

Usando a conhecida (mas eficiente) analogia entre linguagem e vestimenta, o dicionário é um grande magazine onde estão expostas todas as peças de vestuário existentes; há peças íntimas, peças formais, peças descontraídas, peças exóticas, peças chamativas, peças discretas, peças indecentes — e, assim como as palavras, podemos escolher as que mais nos agradam. A soma de nossas escolhas — seja nas roupas, seja nas palavras — é o que costumamos chamar pelo nome clássico de estilo.

Depois do Acordo:

lingüístico > linguístico

hemorróida > hemorroida