Artigos em Análise sintática

Concordância em concurso

A concordância verbal nunca deixará de ser um bicho-papão nas questões de concursos públicos e de vestibulares. O segredo, você sabe, é nunca perder de vista o SUJEITO da oração.

ler completo
Antes do sol nascer

Como é possível que se defendam construções tão malsoantes como “Antes DE o sol nascer”, “Depois DE ele chegar”? Esta é uma regra artificial, inventada por defensores da análise lógica no início do séc. XX.

ler completo
Salve, Jorge!

O vocativo vem separado por vírgula para evitar que o leitor o confunda com uma parte integrante da estrutura sintática: “Não coma gordura animal” é muito diferente de “Não coma gordura, animal”. Seja em títulos, saudações, insultos, não importa: “Salve, Jorge!”; “Ave, César!”; “Oh, Susana!”; “Cai fora, malandro!” — a vírgula sempre estará lá.

ler completo
antes DO ano terminar

Qual a forma preferível — “Antes DO ano terminar” ou “Antes DE O ano terminar”? Na escrita, podemos escolher: os grandes escritores preferem a primeira, a imprensa em geral prefere a segunda. Na FALA, porém, a elisão é OBRIGATÓRIA.

ler completo
adjunto adnominal ou complemento nominal?

Diferentemente dos adjuntos adnominais, que só podem estar ligados a SUBSTANTIVOS, os complementos nominais podem ligar-se também a ADJETIVOS e a ADVÉRBIOS.

ler completo
VIVER como verbo de ligação?

Conheça uma forma segura de identificar os verbos de ligação.

ler completo
da passiva sintética para a ativa

O Doutor explica: só frases com sujeito indeterminado podem ter passiva sintética.

ler completo
sujeito oracional

Caro prof. Moreno: gostaria que o senhor definisse o sujeito oracional. Eu tenho dúvidas sobre quando este sujeito surge.  Muito obrigado pela atenção! André Luiz André, aqui vai uma resposta rápida: as várias partes da frase (sujeito, objeto direto, predicativo, etc.) podem ser representadas por uma oração subordinada substantiva. É exatamente por esse motivo que, […]

ler completo
a hora DA/DE A onça beber água

Prezado Doutor: lendo seu excelente artigo sobre arigatô vem de obrigado?, fiquei em dúvida, no último parágrafo, quanto ao trecho “que falavam seu idioma mil anos antes DOS portugueses aparecerem por lá”. Nos anos 60, aprendi, com o saudoso professor Godofredo de Macedo, que era abominável a contração da preposição DE com o artigo antes […]

ler completo
a persistirem os sintomas

O Doutor examina a famosa frase que encerra todos os comerciais de medicamentos no Brasil.
a persistirem os sintomas

ler completo