Artigos marcados com: estrangeirismos

espresso?

Os vocábulos importados são como estrangeiros que vêm morar no Brasil: uns já estão naturalizados, outros aguardam o deferimento do pedido e outros, finalmente, vão viver aqui sem mudar sua cidadania de origem.

ler completo
o rei do roque

Se, como vimos, “crack” pode ser nacionalizado como CRAQUE, o que impedirá que “rock” se transforme em ROQUE? Nada — nem mesmo o fantasma de Elvis, nosso rei eterno e incontestável. Tudo vai depender da preferência dos fãs deste tipo de música.

ler completo
Pedra de craque

Comparada ao Chinês ou ao Hebraico, nossa língua é uma jovem senhora de 900 anos, mas já tem seus hábitos e suas manias. Uma delas é impor o seu próprio sistema ortográfico aos vocábulos estrangeiros que aparecem por aqui — medida das mais saudáveis, como veremos.

ler completo
Blitzes

Onde os italianos dizem raviolo, ravioli, os brasileiros mudaram para RAVIÓLI, RAVIÓLIS; onde os alemães dizem blitz, blitze, os brasileiros estão mudando para BLITZ, BLITZES.

ler completo
Deixem nossa língua em paz! (final)

“Os estrangeirismos são os judeus da linguagem” — Theodor Adorno – Minima Moralia

ler completo
tsunami

Por que fomos pedir emprestado ao japonês o vocábulo TSUNAMI? Nossa língua não tem palavra própria para designar um vagalhão desse tamanho?

ler completo
o pen drive

A musse ou O musse? A fondue ou O fondue? A pen drive ou O pen drive? Veja as escolhas do Doutor nessas questões de gênero.

ler completo
INTERNET é hibridismo?

Palavras como SOFTWARE, INTERNET ou HAMBÚRGUER, trazidas de línguas estrangeiras, devem ser classificadas como “importações” ou “empréstimos” — independentemente do processo que as fez nascer no idioma de origem.

ler completo
portfolio, portfólio ou portifólio?

As palavras de origem estrangeira sofrem adaptações ao entrar em nosso idioma. Isso é muito bom, mas nem sempre é muito simples: é portfolio, portfólio, portifólio ou porta-fólio?

ler completo
imbróglio?

Um dia desses, em uma entrevista na TV, ao comentar a confusão legislativa que se criou em torno da desastrada reforma ortográfica com que andam nos ameaçando, eu a chamei de imbroglio (“confusão, maçaroca”), vocábulo que muito aprecio, pronunciando-o à italiana — /imbrólho/. Pois duas horas não eram passadas e eu já recebia, pelo correio […]

ler completo