anexo ou em anexo?

Sérgio Mansur, um de meus leitores mais assíduos, meu crítico implacável e quase colaborador, volta à carga:

— Numa de tuas respostas, encontrei “quanto ao teu problema, mando-te, em anexo, o que escrevi…” O que me intrigou foi a expressão em anexo. Sou avesso à preposição EM no anexo a uma correspondência como a tua. Autores respeitáveis a condenam. O Sérgio Nogueira, do JB, aceita. Há os que não. Conheço vários, pessoalmente. Durante os meus quase vinte anos de tecnoburocrata na Administração Estadual de Minas Gerais, expurguei cuidadosamente os “em anexo” nos ofícios que redigia, embora pendurasse neles anexos sem conta. Um abraço. Sérgio — Belo Horizonte

Meu caro Mansur: “A lista vai anexa” ou “a lista vai em anexo“? Qual é a forma correta? Na verdade, ambas são consideradas bem formadas; trata-se, porém, de construções com estruturas sintáticas diferentes, como vamos demonstrar.

Como já ensinava Celso Pedro Luft — meu mestre e patrono desta página —, há um anexo adjetivo e um anexo substantivo. Em “a lista vai anexa“, “o relatório vai anexo“, “as notas fiscais vão anexas“, anexo é um adjetivo e, como tal, concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere. Em “a lista vai anexa“, o adjetivo tem a função de predicativo e responde à pergunta “como?”: “A lista vai como?” — “Vai anexa“.

Na segunda estrutura possível — “a lista vai em anexo“, “os relatórios seguem em anexo” —, anexo é substantivo, regido pela preposição em; a expressão em anexo funciona como locativo, respondendo à pergunta “onde?”: “A lista vai onde?” — “A lista vai em anexo“. É evidente que, não sendo adjetivo, não ocorre aqui a concordância: “Vão em anexo as fotos”.

Ora, houve realmente quem condenasse a segunda forma, no intuito — segundo eles — de evitar o afrancesamento de nossa sintaxe. Não há dúvida de que a intenção era nobre, mas, como veremos, equivocada. Os críticos de em anexo alegavam que, em bom Português, a preposição EM deveria combinar-se com substantivos, para formar locuções adverbiais (em resposta, em represália, em aditamento, em compensação), e nunca com adjetivos, o que seria imitação servil da sintaxe francesa (isso condenaria em absoluto, em definitivo, em separado e, seguindo o mesmo raciocínio, em anexo). Eu sempre achei curiosa essa idéia de “defender” nosso idioma contra invasões estrangeiras, porque acredito que uma língua só incorpora aquilo que a beneficia. No entanto, para fins de argumentação, digamos que eu concordasse em evitar as locuções formadas de [em + adjetivo]: ainda assim, em anexo estaria fora dessa interdição, uma vez que aqui, como vimos acima, anexo é um substantivo (“a lista vai num anexo”, “a lista vai como anexo”). Lembro ao amigo que muitos manuais de redação oficial recomendam que especifiquemos, ao final de um ofício ou carta de encaminhamento, o número de documentos anexados: “Anexos: 4“. Em teses e dissertações, abrimos, muitas vezes, uma seção de “Anexos“, e a eles nos referimos como a substantivos: “No Anexo 1, podemos ver…”; “O Anexo 2 contém…”; etc. Outro leitor, escrevendo sobre o mesmo tópico, lembrou ainda que “A lista vai em anexo” é equivalente, semântica e sintaticamente, a “A lista vai em separata“. Podemos, portanto, escolher entre “a lista anexa” e “a lista em anexo“; a soma de nossas escolhas (são milhares, para quem escreve conscientemente) é que vai formar o nosso estilo pessoal. Abraço. Prof. Moreno

Depois  do Acordo: idéia > ideia

Quer conhecer a mitologia grega?
Então ouça o podcast Noites Gregas, do professor Moreno.