plural de gol

Prezado professor, recentemente ouvi num programa esportivo na TV que o plural de gol é gois. Não consigo acreditar. É verdade isso? Abraços.

José Luís

Meu caro José Luís: da mesma forma que o próprio futebol, o vocabulário a ele relacionado veio também da Inglaterra. Assim que o jogo entrou aqui, foi muito rápida a sua popularização; no início, os vocábulos eram usados no idioma de origem, mas logo passaram a dividir-se por dois destinos diversos: (1) uns foram traduzidos: corner, depois escanteio; center-foward, depois centro-avante; foul, depois falta; referee, depois árbitro ou juiz; off side, hoje impedimento; etc.; (2) outros foram aportuguesados, i.é, adaptados ao nosso sistema fonológico: penalty virou pênalte (ou pênalti); foot-ball virou futebol; crack virou craque; score virou escore. A ovelha-negra foi mesmo o goal, que sempre (não é de hoje) causou tanta controvérsia.

Se ele tivesse sido traduzido, como os do grupo (1), seria algo como “meta”, que usamos apenas quando goal se refere ao arco formado pelas traves e o travessão, mas não ao tento marcado (como no Francês, onde ambos, tanto as traves quanto o tento marcado, se chamam but). Para o ponto obtido, a bola na rede, mesmo, os falantes preferiram conservar o vocábulo original, pronunciando-o à inglesa, mas adaptando-o aos perfis fonológicos e ortográficos do Português. Aí começou o problema; como já apontava Celso Pedro Luft, desde então o vocábulo passa por uma crise de aportuguesamento.

Em primeiro lugar, a grafia gol é uma aberração; não existe em nosso sistema ortográfico qualquer vocábulo terminado em OL com a vogal fechada; temos sol, rol, anzol, caracol, todos com a vogal aberta. É verdade que temos alguns vocábulos em /ôis/ — bois, dois, depois, pois —, mas nunca é o plural de vocábulo terminado em OL. Como diz Luft: “Não existe no sistema da língua a oposição /ôl/:/ôis/”. Em nome da coerência, ele sugeria que optássemos por uma das seguintes hipóteses:

(1) pronunciar e escrever à inglesa: goal, goals (entre aspas ou grifado);

(2) gol (com o /o/ aberto), plural góis (como sóis); 

(3) golo, com o acréscimo do elemento terminal O, permitindo o plural normal golos;

(4) gou (com a costumeira vocalização do /l/); o plural normal é gous.

(5) gol (com o /o/ fechado), plural gols.

As duas melhores escolhas seriam a (3) e a (4). A (3), golo, golos, é usada tranqüilamente em alguns estados do país e em Portugal; a (4), gou, gous, teria a grande vantagem de corresponder exatamente à maneira como falamos. A (1), goal, goals, já está anacrônica, pois todos os demais vocábulos futebolísticos evoluíram, no léxico do Português, de um jeito ou de outro. A (2), gol, góis (ambas com o /o/ aberto) é completamente artificial: não se pode impor à escrita o que não existe primeiro na fala (quanta gente esquece esse princípio básico!). Finalmente, a (5), gol, gols (ambas com o /o/ fechado), é um bezerro com cabeça de carneiro: não conserva a grafia do Inglês, nem observa a nossa ortografia. Os dicionários a registram porque essa é a sua obrigação, mas isso jamais vai torná-la normal. Em casos de hesitação como esse, geralmente o passar do tempo termina elegendo uma das formas; no entanto, o problema já está entre nós há quase cem anos e parece tão vivo quanto no dia em que nasceu. Não sei, não: acho que é um daqueles casos insolúveis para a nossa ortografia, como Guiana, pizza ou cãibra, para os quais não encontramos uma maneira satisfatória de representar por escrito. Abraço. Prof. Moreno

Depois  do Acordo: tranqüilamente> tranquilamente

Quer conhecer a mitologia grega?
Então ouça o podcast Noites Gregas, do professor Moreno.