pontuação das adversativas

Professor, é correto separar uma oração coordenada sindética mediante o emprego de ponto final em vez de vírgula antes da conjunção coordenativa? Para facilitar o entendimento, vou usar um período de um de seus artigos: “A etimologia — sozinha — tem suas limitações: ela não explica a origem de todas as palavras. No entanto, sempre pode trazer novas idéias e agitar o pensamento”.

Cláudio

 

Meu caro xará, posso deduzir, pela tua pergunta, que deves ter aprendido, em algum lugar, que SEMPRE se deve empregar vírgula antes das coordenadas sindéticas. Sinto dizer-te que não é assim que funciona a pontuação, especialmente no caso das adversativas. Neste grupo, vamos separar com vírgula as orações introduzidas por MAS, e com ponto ou ponto-e-vírgula as introduzidas por seus sinônimos (porém, todavia, contudo, no entanto, entretanto, etc.). Observa as três versões da mesma frase, todas corretas:

(1) Ele está cansado, mas vai entregar o trabalho amanhã.

(2) Ele está cansado; contudo, vai entregar o trabalho amanhã.

(3) Ele está cansado. Contudo, vai entregar o trabalho amanhã.

Essa diferença de pontuação entre o MAS e seus sinônimos é clássica, e se deve ao caráter claramente adverbial destes últimos. A nossa nomenclatura é que os chama, equivocadamente, de conjunções, sem levar em conta o fato fundamental de que todos eles são pospositivos (isto é, deslocáveis para a direita, na oração a que pertencem):

(4) Ele está cansado; vai entregar, contudo, o trabalho amanhã.

(5) Ele está cansado; vai entregar o trabalho amanhã, contudo.

É por isso que a gramática do Inglês, mais acertadamente, chama o but (o nosso “mas”) de conjunção, mas classifica todos os demais (however, nevertheless, etc.) de conjunctional adverbs (algo como “advérbios conjuncionais”).

A frase do meu artigo ficaria ERRADA se colocássemos vírgula antes de no entanto, como me parece ser a tua sugestão:

*A etimologia — sozinha — tem suas limitações: ela não explica a origem de todas as palavras, no entanto, sempre pode trazer novas idéias e agitar o pensamento.

Esses nexos pospositivos, como exemplifiquei acima, só podem ficar entre vírgulas quando estiverem deslocados. Outra coisa: exatamente pelo caráter especial desses conetivos, são eles que vamos usar preferencialmente quando queremos ligar dois parágrafos entre si e indicar, ao mesmo tempo, que o conteúdo do segundo se opõe ao conteúdo do primeiro. Abraço. Prof. Moreno

Depois  do Acordo: idéias > ideias

Quer conhecer a mitologia grega?
Então ouça o podcast Noites Gregas, do professor Moreno.