Gay ou Guei?

Caríssimo Professor, sou um grande admirador de seu trabalho na internet. Existe um sítio brasileiro sobre a homossexualidade que insiste em usar o termo guei e não gay. Eu acho isso um puritanismo lingüístico bastante nacionalista, bem extremista. Eu prefiro usar o termo reconhecido internacionalmente, e defendo o seu uso, pois acho que a palavra homossexual carrega um certo tom clínico nem sempre apropriado em meios sociais. Ademais, não sei de nenhuma palavra para gay em português que seja positiva, ou mesmo neutra — tudo me parece muito pejorativo. Seria um grande prazer receber um resposta sua. 

Paul B.  — Seattle, WA – USA

Meu caro Paul: gay é a forma internacional (acho melhor, porque é instantaneamente reconhecida), guei é uma forma que acrescenta ao significado já tradicional um nítido posicionamento nacionalista, como bem percebeste. Cada um se alinha entre as hostes que prefere, e a escolha das palavras ou da forma de grafá-las expressa também uma tomada de posição. Intitular-se gay é aderir a uma comunidade sem fronteiras; intular-se guei é, além disso, reforçar uma identidade nacional e, o que pode ser o caso, assumir uma postura politizada. Quanto à escolha entre gay (ou guei) e homossexual, não há dúvida de que são conotativamente diferentes (embora denotativamente idênticas); a segunda é a única forma aceitável, a meu ver, em textos filosóficos ou psicanalíticos, enquanto a primeira, além de ser a única cabível no discurso do quotidiano, é mais coloquial e descontraída. Nos guias de viagens vais encontrar a rubrica “hotel gay“, “boate gay“, mas seria impensável “hotel homossexual”, “boate homossexual”. Quanto ao léxico do Português, parece que realmente ainda não temos nenhuma designação para gay que não tenha coloração pejorativa — nem mesmo no vocabulário da comunidade GLS. Sabes muito bem, Paul, que a linguagem apenas espelha a cultura que lhe corresponde; se um dia ela mudar, o vocábulo aparecerá.  Abraço. Prof. Moreno

Quer conhecer a mitologia grega?
Então ouça o podcast Noites Gregas, do professor Moreno.