Categorias
Como se escreve Emprego das letras

clipe de papel

Recebo da Maria Amália, de Teresina, uma curiosa pergunta: “A palavra clips tem singular? Não estou falando de “grampo”, mas sim daquele aramezinho dobrado que a gente usa no escritório para prender as folhas de papel”. Eu sei o que é, leitora; conheço bem esse engenhoso artefato de arame dobrado, hoje considerado uma das grandes invenções do Séc. XX, que serve para prender folhas de papel e tem mais mil outras utilidades, principalmente se desdobrado. Criado pelo noruguês Johann Vaaler e patenteado na Alemanha, é conhecido como clip (pl.: clips) nos países de língua inglesa; no Brasil, deve ser chamado de clipe (pl.: clipes). Por quê?

A forma das palavras que usamos segue determinados moldes próprios ao nosso idioma (certamente diferentes dos moldes presentes no Francês, no Inglês ou em qualquer outra língua). Por exemplo: enquanto os vocábulos do Inglês podem ter finais consonantais (get, cab, golf, proud, lag, stop, etc.), raras são as consoantes que podem figurar no final de um vocábulos do Português: L; R; S, X ou Z (/s/); e as nasais M e N.

Quando um vocábulo de outro idioma é absorvido pelo nosso, uma das principais marcas dessa assimilação é assumir ele o nosso molde fonológico, passando a circular entre as palavras nativas como se fosse de casa. Por exemplo: não temos S formando sílaba sozinho em início de palavra; por esse motivo, as palavras estrangeiras que ingressam em nosso léxico recebem um E que lhes dá uma forma viável: score, vinda do Inglês, vira escore; spaghetti, do Italiano, vira espaguete. Essa mesma vogal E, que é a grande “completadora” do Português, vai entrar no final das palavras importadas que terminem em consoante: club, turf, chic e lord viram clube, tufe, chique e lorde. É comum entrar a vogal simultaneamente no início e no final: stress e snob, por exemplo, viram estresse e esnobe.

O pequeno clip, portanto, também ganhou este E final quando foi nacionalizado: um clipe, dois clipes. Sempre pode haver um pedante saudosista que faça questão de usar o vocábulo ainda no Inglês; neste caso, vai ficar com um clip, dois clips. O estranho, bizarro, absolutamente insano é dizer “um” clips!

Outra coisa: esta adaptação fonológica de clip para clipe não leva em consideração o sentido em que estamos usando o vocábulo. Vale também para o clipe musical (que, se lembro bem, Jô Soares chamou de “música para surdos”). É a mesma coisa: o vocábulo é o mesmo (o Aurélio registra a forma clipe para ambos os significados). Abraço. Prof. Moreno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.