Categorias
Como se escreve Emprego das letras

erva, herbívoro

Um estudante de Letras pergunta: se o elefante é um grande herbívoro, com H, por que razão ele passa o dia comendo ervas, sem H?

Professor Moreno: queria saber do Doutor por que erva, que vem do latim herba, escreve-se sem o H, e seus derivados com o H? Sou estudante de Letras e, fazendo  estágio em um colégio, o aluno perguntou ao professor o porquê desta  diferença; o professor disse ao aluno que era uma norma da gramática. Por que a gramática distancia tantas coisas de suas origens? Talvez por que a  língua é tratada pela sincronia e não pela diacronia? Muitíssimo obrigado!   

Anônimo 

Meu caro Estudante de Letras Anônimo: seguramente o professor a cuja aula assististe não é um modelo que devas seguir. Como pode ele evocar uma “norma da gramática” onde não há nenhuma? Pares como erva/herbívoro são muito comuns em nosso idioma — e simples de explicar a nossos alunos. O radical latino HERB– evoluiu, dentro do Português, para ERV– (o H desapareceu e o /b/, por regras de fonética histórica, passou a /v/); no entanto, como deves ter estudado na faculdade, os Humanistas do Renascimento Português voltaram-se para o Latim em busca de palavras que aumentassem nosso vocabulário incipiente e terminaram criando os famosos dublês, que estão presentes em todas as Línguas Românicas. Temos, portanto, dois radicais que coexistem, o evoluído e o reconstituído; há vocábulos que derivam do radical antigo, latino (herbívoro, herbáceo, herborizar) e vocábulos que derivam do radical moderno (erva, ervaçal, ervateira). O mesmo acontece, por exemplo, com hibernal, hibernar, hibernação, de um lado, e inverno, invernada, invernia, de outro. Se nós, professores, não tivermos claros os princípios e os conceitos, o que será de nossos pobres alunos? Abraço, e boa sorte! Prof. Moreno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.