Categorias
Crase Destaque Lições de gramática

sutilezas da crase

É inevitável uma certa dose de angústia na hora de usar o acento de crase; um pouco de calma e reflexão, porèm, há de nos pôr no bom caminho.

 

Tenho certeza, caro leitor, que você sabe muito bem que só os ingênuos acreditam em soluções simples para problemas complexos — e isso vale também para a gramática. O acento de crase  é um bom exemplo: há tantos fatores envolvidos em seu emprego que, percebendo que o gelo é fino e a mata é espessa, nenhum de nós se arrisca a usá-lo sem antes fazer uma pausa para pensar. Uma certa dose de angústia é inevitável aqui (há até quem se benza!), mas  asseguro que um pouco de calma e reflexão há de nos pôr no bom caminho.

Pois é exatamente sobre crase a consulta feita por uma enfermeira que, por razões pessoais, pede que eu não publique seu nome. Em seu trabalho na transcrição de consultas médicas, recorre constantemente a dicionários e a gramáticas, mas não consegue entender por que o A não deve ser acentuado em construções do tipo “paciente submetido A cirurgia de catarata”. Diz ela: “Um médico afirmou que é sem acento, mas, para mim, as duas condições de crase estão presentes: submetido pede a preposição A e o segundo termo é um substantivo feminino: não seria o suficiente?”.

Não, prezada amiga, não seria o suficiente. Assim como para o tango, são necessários dois participantes para que ocorra a crase: a preposição A está ali, como você percebeu, mas ela está sozinha; o outro parceiro, o artigo feminino A, não compareceu. Apesar de cirurgia ser palavra feminina, está sendo usada de modo indeterminado e, portanto, desacompanhada de artigo definido. Fica mais fácil de explicar se usarmos substantivos masculinos, pois a presença ou ausência do artigo O termina deixando tudo mais visível. Note que escrevemos “paciente submetido A exame de dependência toxicológica” — e não “ao exame”, o que prova que temos apenas a preposição. 

O que parece ser uma complicação inerente à crase não passa, na verdade, de uma sutileza do emprego do artigo, uma palavra injustiçada, que tem de importante o que tem de nanica. O que está por trás disso é a diferença entre o dado e o novo, categorias que raramente são mencionadas nas gramáticas tradicionais. Quando nos referimos ao novo, não há artigo definido: “Polícia evita assalto na BR-101″ (e não “O assalto”). 

A presença (ou não) do artigo faz muita diferença. Compare “Referindo-se A peça infantil a que assistiu na Rocinha, a deputada…” com “Referindo-se À peça infantil a que assistiu na Rocinha, a deputada…”. Ambas estão corretas, mas dizem coisas diferentes. Na primeira, peça é um dado novo, sendo usado com sentido indefinido (“uma peça”); na segunda, pressupõe-se que os leitores compartilhem o conhecimento prévio de que a deputada tinha assistido a um espetáculo infantil na Rocinha. Seu Fulaninho informa que uma vez operou a catarata; na ficha dele se registra “paciente submetido a cirurgia de catarata” (“uma cirurgia”). Seu Fulaninho comenta que não ficou satisfeito com o resultado: “referindo-se à cirurgia de catarata, o paciente… (ele está falando daquela cirurgia já mencionada). 

Como você pode ver, a resposta é complexa porque este não é mesmo um caso tão simples —  ou tosco, como a de um leitor indignado que escreveu, em estilo meio arrevesado: “O acento craseado [sic] foi colocado em um texto na palavra ègua (credo!). Em qual caso na língua portuguesa se utiliza esse tipo de acento?”. Meu pensamento voou. Éguas, cavalos, jumentos… confesso que a tentação foi grande, mas engoli a piada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.