parámos

Prezado Professor: fazendo referência à questão da pronúncia fechada de certas vogais (/fécha/ ou /fêcha/), tive uma professora de Português que iniciava suas aulas com a pergunta “Onde nós paramos?”, que ela pronunciava /parámos/ — nesse caso, sua pronúncia era a vogal aberta, inversa à usual. Existe uma explicação para isso? Grato. 

Rodolfo K. —  São Paulo (SP)

Meu caro Rodolfo: sim, há uma explicação: tua professora devia ser cidadã portuguesa (espero; se não, era tantã). No Português Europeu, o sistema flexional faz a nítida distinção (que nós, no Brasil, não temos) entre a 1a pessoa do plural do presente e a do pretérito perfeito. Eles dizem (e escrevem) “Nós compramos tudo o que aparece” (presente) e “Nós comprámos todo o material na feira da semana passada” (pretérito). Essa possibilidade de distinguir entre os dois tempos do indicativo, aliás, é a mais notável das pouquíssimas diferenças entre o nosso sistema verbal e o dos nossos avós portugueses — e está contemplada no Novo (e desastrado) Acordo Ortográfico, já que o acento será mantido na grafia do Português Europeu. Abraço. Prof. Moreno

Quer conhecer a mitologia grega?
Então ouça o podcast Noites Gregas, do professor Moreno.