polir

Estimado Professor, estava pesquisando sobre verbos defectivos e adorei aquela carta em que o senhor explica a conjugação do verbo polir. Entendi perfeitamente. No entanto, o livro intitulado Tudo Sobre o Verbo diz que ele é defectivo; ali ele aparece sem a conjugação completa no presente do indicativo. Estou um pouco confusa, pois preciso dar uma aula sobre este tema. Pode me ajudar? Só preciso saber se é possível que haja teorias diferentes sobre o assunto; talvez até seja normal essa diferença de opiniões. Desde já, agradeço sua preciosa atenção.

Antonia M. — Professora

Minha cara Antônia: a lista dos verbos que são defectivos para um gramático jamais será igual à lista de outro; na verdade, não há verdadeiros defectivos além de reaver e precaver. Os demais — isto é, os que assim são chamados por alguns autores — são apenas verbos que têm, na sua conjugação, formas consideradas estranhas ou ridículas, o que é um critério absolutamente impreciso, pois vai variar de indivíduo para indivíduo, de época para época. Basta ver como uns incluem competir na lista, enquanto outros o consideram um verbo absolutamente corriqueiro, com conjugação completa, inclusive com direito a um eu compito, em tudo semelhante a eu repito (lê o que escrevi em eu compito?). 

Não conheço o autor deste livro Tudo Sobre o Verbo, de título tão otimista; asseguro-te, apenas, que ele não é autoridade reconhecida no mundo acadêmico. Para a conjugação do polir, eu prefiro ficar com a minha intuição, confirmada pelo dicionário do Houaiss e pelo Aurélio, que o apresentam como um verbo normal, de conjugação completíssima: eu pulo, tu pules, ele/você pule, nós polimos, vós polis, eles/vocês pulem. Não importa que pulo também seja a 1ª pessoa do verbo pular; afinal, há centenas de formas verbais homógrafas… Queres um conselho? Fica com estes dois mestres, porque, para ir contra esses pesos-pesados (o que é possível, em alguns casos), é preciso bem mais do que um simples manual sobre verbos. Abraço. Prof. Moreno

P.S.: Essa é uma das grandes vantagens da edição eletrônica desses dois dicionários: ambos trazem uma ferramenta que fornece o quadro completo da conjugação de qualquer verbo que esteja ali relacionado.

Quer conhecer a mitologia grega?
Então ouça o podcast Noites Gregas, do professor Moreno.