Categorias
Análise sintática Destaque Lições de gramática

adjunto adnominal ou complemento nominal?

 


Caro Doutor, necessito de sua ajuda. No período “A explicação destes assuntos ao diretor será dada pelo funcionário”, destes assuntos é adjunto adnominal ou complemento nominal?

Pedro M.C. — Uberaba (MG)

Meu caro Pedro: quando se trata de elemento preposicionado, a distinção entre o adjunto adnominal e o complemento nominal geralmente é muito simples. Podemos apontar várias situações em que não há dificuldade alguma em identificá-los:

(1)  Se o elemento preposicionado estiver ligado a um substantivo concreto, só pode ser adjunto (casa de pedra, lápis de Antônio, estante de livros).

(2) Se estiver ligado a um adjetivo ou advérbio, só pode ser complemento (capaz de tudo, apto para o serviço, perto de casa).

(3) Se estiver ligado a um substantivo abstrato por qualquer preposição que não seja DE, só pode ser complemento (obediência às leis, simpatia por crianças, insistência no detalhe).

A única situação em que se admite dúvida entre adjunto adnominal e complemento nominal é quando temos [substantivo abstrato + preposição DE + substantivo] — exatamente como na frase que mandaste: a explicação + de + estes assuntos.

Nesse caso — repito, que é o único em que se admite a dúvida entre o AA e o CN —, começo lembrando que explicação é um substantivo abstrato de ação, formado a partir do verbo explicar, num processo que podemos chamar de nominalização. Ora, sabe-se que os substantivos assim formados têm sua sintaxe dependente da sintaxe do verbo que lhes deu origem — ou, dito de outra forma,  a sintaxe do verbo primitivo vai determinar a sintaxe do substantivo que dele se formar.  O princípio é simples: o que era sujeito do verbo passa a ser adjunto adnominal do substantivo derivado, e o que era complemento do verbo passa a ser complemento nominal. Essa equivalência fica bem clara se compararmos um par de frases como (1) “A repórter contestou o cálculo do ministro” e (2) “A repórter contestou o cálculo dos juros“. Em (1), do ministro é AA de cálculo (“o ministro calculou”); em (2), dos juros é CN de cálculo (“alguém calculou os juros).

Outro par semelhante: (1) “A construção da casa foi embargada” e (2) “A construção de Sérgio Naya foi embargada”. Como a frase (1) provém de  “alguém constrói a casa“, casa é CN de construção; no entanto, na frase (2), que provém de “Sérgio Naya constrói alguma coisa”, Sérgio Naya é AA de construção.

Como podes ver, no exemplo que enviaste — “a explicação destes assuntos” — destes assuntos é complemento nominal de explicação. Ficou mais claro assim? Abraço. Prof. Moreno

_____________________________________________

complemento nominal?


Diferentemente dos adjuntos adnominais, que só podem estar ligados a substantivos, os complementos nominais podem ligar-se também a adjetivos e a advérbios.

Prezado Professor, tudo bem? Na frase “Virgínia, moradora na Rua das Acácias, foi assassinada quando saía de casa”, a expressão em destaque é complemento nominal ou adjunto adnominal? Aprendi que os complementos nominais completam apenas o sentido de substantivos abstratos — o que não é o  caso de moradora, que me parece ser um substantivo concreto.

Fernando Bueno

Prezado Fernando: houve aqui uma pequena confusão. Quando dizemos que o complemento nominal completa apenas substantivos abstratos, estamos afirmando, implicitamente, que ele não se refere aos concretos. Isso apenas define o problema quanto aos substantivos. No entanto, o alcance do complemento vai mais adiante: pode ligar-se também a adjetivos (temente a Deus, obediente à lei, apto para o serviço) ou a advérbios (perto da minha casa). Na frase que você menciona, moradora é um adjetivo derivado do verbo morar, que exige um tipo de complemento que o prof. Luft chama de complemento adverbial (mora na floresta, vive no mundo da Lua, etc.). Pela transformação clássica, os complementos verbais sempre se transformam em complementos nominais — o que nos autoriza a dizer que na Rua das Acácias é complemento, e não adjunto.

Entendo por que você classificou moradora como substantivo: houve aqui aquela substantivação habitual que os adjetivos ligados a seres humanos podem sofrer. Por exemplo, o adjetivo bebedor em “Fulano de tal, bebedor de cerveja” pode aparecer substantivado em “os bebedores de cerveja fazem muito barulho”, mas isso não altera o fato de que  de cerveja é um complemento nominal de bebedor. Foi o que ocorreu nesta frase que estamos analisando

Finalmente, em “Virgínia, moradora na Rua das Acácias“, quero chamar sua atenção para um detalhe valioso que não posso deixar de mencionar: a presença da preposição EM. Nunca esqueça, amigo: a hesitação entre adjunto adnominal e complemento nominal só existe quando tivermos um sintagma preposicionado com a preposição DE, e só com ela; quando você enxergar qualquer outra preposição que não seja esta, pode ter certeza de que está diante de um complemento. Abraço. Prof. Moreno