Categorias
Acordo ortográfico Artigos

Mudanças na ortografia [6° de 10]

A base de nossa ortografia atual é o Acordo de 1943, implantado por Getúlio Vargas como parte de seu plano de modernizar o país. Antes dele, o brasileiro podia escolher entre diversas maneiras de representar por escrito as palavras do idioma, numa verdadeira babel ortográfica. Hoje é difícil imaginar como seria viver assim, com diferentes sistemas convivendo anarquicamente nas páginas dos jornais, nos livros, nos dicionários e, o que era pior, nos bancos escolares. Foi o Acordo de 1943 que trouxe ao país a unidade que hoje conhecemos, criando um modelo estável que sofreu, em 1971, apenas um pequeno retoque (friso que foi a única modificação ocorrida de 1943 até hoje):

(1) foi suprimido o raríssimo trema que indicava hiato (escrevendo gaüchismo, assinalaríamos que a pronúncia desejada era /ga-u-chis-mo/ e não /gau-chis-mo/, além de evitar que algum leitor tomasse o vocábulo como um derivado de gauche —”esquerda”, em Francês — e lesse /gochismo/;

(2) foi suprimido o acento subtônico dos derivados em –mente e em –zinho (escrevia-se gêniozinho, sòmente, cafèzinho, espontâneamente);

(3) foi suprimido o acento circunflexo diferencial dos pares com E ou O aberto e fechado (gêlo:gelo, almôço:almoço; tôda:toda; mêdo:medo).

Sucinto como deve ser, o texto desta minirreforma gastou apenas um parágrafo para definir os três acentos que deviam ser suprimidos do sistema de 1943 — e pronto.  Em vez de seguir a mesma prática de indicar apenas as supressões, o Acordo assinado este ano é um amontoado de regras desordenadas, mal concebidas e redigidas de maneira pedestre. Os participantes desta amaldiçoada comissão dedicaram-se à tarefa completamente redundante de dizer, de novo, tudo o que 1943 já tinha conseguido dizer de forma mais clara e organizada. A conseqüência é a falsa aparência de complexidade que o texto assume para o leitor não-especializado, que não percebe, por trás desse palavreado cheio de farofa, que a montanha está parindo um esquálido ratinho. Pois esta é a razão de ser da coluna de hoje: definir, com clareza, o que mudará — para o Brasil, para nós, para mim e para você, meu caro leitor — o que mudará, repito, se a comunidade aceitar este novo modelo e consagrá-lo pelo uso.

Para nós, brasileiros, é importante esclarecer que este Acordo só inova, com relação ao modelo de 1943, na acentuação e no emprego do hífen; o emprego das letras fica exatamente como sempre foi. Na acentuação, ocorre a supressão de algumas regras hoje vigentes — e só; no uso do hífen, a comissão propõe mudanças cujas conseqüências ela própria desconhece. Faço questão de assinalar que este artigo seria totalmente diferente se fosse destinado ao leitores portugueses, pois as mudanças que eles vão ter de engolir são de outra ordem e calibre.

Mudanças na acentuação — As regras que vão ser alteradas são poucas e de escassa importância:

1 — Hoje se acentuam os hiatos tônicos ÊE, ÔO: vôo, abençôo, relêem, dêem, etc. O Acordo suprime esta regra: voo, abençoo, releem, deem.

2 — Hoje se acentuam os ditongos abertos éi, éu, ói, onde quer que eles estejam: jibóia, heróico, paranóia, geléia, idéia; réu, herói, dói, réis. O Acordo só mantém esse acento nas oxítonas: réu, herói, dói, réis, troféu, mas jiboia, heroico, paranoia, geleia, ideia, assembleia, apoiam, etc.

3 — Tendo em vista que a letra U — quando colocada entre Q e E, Q e I, G e E, G e I — pode ter três valores diferentes, utilizamos hoje um sistema tripartite que indica claramente quando ela é muda, tônica ou átona: (1) se é muda, fica sem marca (quilo, guerra); (2) se é tônica, leva acento (argúi, argúem); (3) se é átona, leva trema (pingüim, agüenta). O Acordo pretende eliminar esta regra inteirinha, escrevendo tudo sem acento ou trema: quilo, guerra, argui, arguem, pinguim, aguenta. O leitor certamente entenderá que estamos falando de grafia; a pronúncia das palavras não muda, nem pode mudar. Por isso, mesmo que um dia se escreva linguiça (assim, sem trema), o U continuará a ser pronunciado obrigatoriamente.

4 — Hoje se acentuam o I e o U tônicos quando vierem depois de vogal ou ditongo e estiverem sozinhos ou formando sílaba com S: juízes, gaúcho, saíste, reúno, feiúra, baiúca. O Acordo apenas suprime o acento quando a vogal vier depois de ditongo decrescente: continuamos a escrever juízes, gaúcho, saíste e reúno, mas passamos a escrever feiura, baiuca, gaiuta, bocaiuva, reiuno.

5 — Caem os acentos diferenciais de pélo(s), péla(s), côa(s), pólo(s), pêra e (não consigo entender por quê!) o de pára. Continua o de pôr e pôde, e torna-se facultativo o de fôrma, antiga reivindicação de mestre Aurélio Buarque de Holanda. 

Mudanças no hífen com prefixos — Aqui as mudanças propostas atingem um número muito maior de palavras e parecem obedecer a um princípio mais racional. Os futuros desdobramentos que essas regras terão, contudo, não podem ser avaliados enquanto a Academia não editar o novo Vocabulário Ortográfico. As alterações mais importantes são as seguintes:

1 — Usaremos hífen quando o prefixo terminar por vogal idêntica à que inicia o segundo elemento: anti-inflamatório, micro-onda, micro-organismo, neo-ortodoxo. Se as vogais forem diferentes, contudo, não há hífen: antiestático, microindústria, neoexpressionismo, infraestrutura, autoestrada.

2 — Usaremos hífen sempre que o segundo elemento começar por H: geo-história, mini-hospital, sub-habitação, co-herdeiro.

3 — Não há hífen quando o prefixo terminar em vogal e o segundo elemento iniciar por R ou S; como sempre fizemos em casos semelhantes, o R ou o S serão duplicados: contrarregra, autosserviço, contrassenha, neorrealismo, ultrassom, antissemita.

Em princípio, caro leitor, é isso aí. A partir de 2009, os documentos oficiais vão ter de se submeter bovinamente ao novo estilo; nós, os outros, ainda teremos ainda três anos de carência, durante os quais — como ardentemente espero — a sociedade civil do Brasil e de Portugal vai acabar rejeitando essas alterações insensatas. Os editores ingênuos, que hoje ainda alimentam a fantasia de que a unificação trará a abertura de novos mercados, virão juntar-se a este coro de descontentes no momento em que perceberem que um original brasileiro, para ser publicado em Portugal ou na África, continuará a exigir uma trabalhosa adaptação ortográfica, já que Acordo, ao admitir demagogicamente dezenas de regras “facultativas”, não unifica coisíssima nenhuma. Vocês vão ver.

Depois do Acordo: conseqüência > consequência

[artigo publicado em 25/10/2008. O lançamento do VOLP pela Academia Brasileira de Letras, em março de 2009, não altera em nada o teor do que aqui foi escrito]

Categorias
Acordo ortográfico Artigos

O que muda na ortografia? [5° de 10]

Depois de demonstrar, com uma mancheia de exemplos, que a tão propalada unificação da grafia é um mero delírio de amadores, que vai terminar como a famosa Batalha de Itararé — “a que não houve” —, vamos ao que interessa: o que vai mudar em nossa ortografia, se o Acordo entrar em vigor? Para mim, para meu leitor, para nós, os aflitos, que mudanças a reforma trará? Pouca coisa, eu diria — mas o suficiente para perturbar a quem está quieto em seu cantinho e para inutilizar todas as bibliotecas escolares de que dispomos. O fato do texto — nota para os zoilos de plantão: não acredito que alguém aí fora ainda pense que é de bom-tom escrever “o fato de o texto“! Cruz, credo! Gramática neles! — o fato do texto do Acordo, repito, ser extenso deve-se mais à prolixidade e ao estilo pedestre de quem o redigiu do que propriamente ao número de mudanças introduzidas. A nós, brasileiros, caberiam as seguintes novidades:

(1) o desaparecimento do trema e do acento agudo no U, nos ambientes “G_E”, “G_I”, “Q_E” e “Q_I”; hoje escrevemos pingüim, argúi, averigúem, seqüestro, que passariam a pinguim, argui, averiguem, sequestro, como em Portugal.

(2) O desaparecimento do circunflexo nos hiatos EE e OO; zôo, vôo, abençôo, lêem passariam a zoo, voo, abençoo, leem, como em Portugal.

(3) O desaparecimento, nas paroxítonas, do acento nos ditongos abertos EI e OI. Heróico, lambisgóia, diarréia, geléia passariam a heroico, lambisgoia, diarreia, geleia — mas continuaríamos a acentuar as oxítonas: céu, réu, dói, herói, papéis — tudo exatamente como é lá na pátria do mestre Álvaro Siza (o qual, como era de esperar de sumidade tamanha, também gostaria de mandar às urtigas este Acordo chinfrim).

(4) O desaparecimento do acento no U tônico, depois de ditongo: em vez de baiúca, gaiúta e bocaiúva, passaríamos a escrever baiuca, gaiuta e bocaiuva — como é na terra de Camões e do bacalhau à Gomes de Sá.

(5) A eliminação dos acentos diferenciais de pélo, pélas, péla (v. pelar); pêlo(s); pólo(s), que passariam a pelo, pelas, pela; pelo(s); polo(s). Aqui, absurdamente, o acento de pára (v. parar), sempre útil, também seria condenado.

Além disso, haverá também movimentações no misterioso pântano do hífen; várias das regras atuais, incompreensíveis e contraditórias, serão substituídas por outras tantas, da mesma laia. Neste passo, o Acordo acrescenta esta obra-prima de imprecisão: “Certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de composição”, grafam-se sem hífen, entre eles mandachuva, paraquedas, paraquedista, etc. — deixando-nos a matutar sobre quem serão as certas pessoas que vão determinar os certos casos em que se perdeu, em certa medida, a noção de composição… Esse nó Górdio só vai ser cortado quando — e se — for publicado um Vocabulário Ortográfico oficial (só o Português tem essa aberração jurídico-lingüística…), que aponte para o brasileiro comum o que é pão e o que é queijo.

Enquanto isso, lá do outro lado do Atlântico, os nossos irmãos portugueses estarão enfrentando as suas mudanças — sim, mudanças que valem só para eles, mas que para nós não trazem novidade alguma. Por exemplo, eles vão deixar de escrever aquelas consoantes que escrevem, mas não pronunciam: Egipto, acção, afectivo, colecção, exacto, adoptar passarão a ser escritos de acordo com a pronúncia culta do Português Europeu: Egito, ação, afetivo, coleção, exato e adotar. Herva e húmido passarão a erva e úmido (como já é aqui). E assim por diante.

Como o leitor deverá ter percebido, o Acordo realmente trabalha em nome de uma aproximação recíproca: as concessões que o Brasil e Portugal farão, embora sejam diversas de um país para o outro, tendem a eliminar as diferenças entre os dois sistemas, diferenças, aliás, que têm raízes históricas: Portugal adota o modelo de 1945, que foi formalmente assinado e ratificado pelo Brasil, mas rejeitado pelos brasileiros, que voltaram ao Acordo de 1943, ainda vigente por estas bandas. Na óptica dos burocratas que defendem a Reforma, será dado mais um passo (um pequeno passo que leva a uma longa marcha, diria o presidente Mao…) para a unificação, mas é muito pouco — e muito caro. A montanha vai parir um mísero ratinho, num parto caríssimo que vai sobrecarregar, em nome de uma utopia irresponsável, o nosso raquítico sistema educacional e acarretar uma renovação obrigatória de todas as bibliotecas escolares. Nos governos corruptos do passado, poderíamos até supor que os verdadeiros beneficiados com a reforma fossem as grandes editoras, de olho nessas reedições milionárias, e os funcionários do MEC encarregados das licitações. Felizmente tudo mudou, e o atual governo é austero e incorruptível como nunca Dantas, digo, dantes “nesse” país… 

Depois do Acordo: lingüística > linguística

[artigo publicado em 19/07/2008, muitos meses antes do lançamento do VOLP pela Academia Brasileira de Letras. Tudo o que foi escrito neste artigo continua valendo — inclusive as críticas]

Categorias
Acordo ortográfico Artigos

O pesadelo de Cassandra continua [4° de 10]

Assim como Cassandra previa as desgraças, mas ninguém acreditava nela, assim eu berro o quanto posso contra o descabido Acordo Ortográfico. Muita gente deve ter saído do capítulo anterior desta novela com o olho arregalado ao perceber que o Acordo, anunciado como o paladino da unificação ortográfica entre o Novo e o Velho Mundo, não passa de um inofensivo tigre de papel. Peço permissão para repetir aqui os trechos que apresentei como exemplo da falta de unidade que existe hoje entre os dois países:

“Como noticiámos ontem, o facto mais pitoresco da semana foi o bebé raptado pela hospedeira da Air France. Depois da descolagem, a torre de controlo, avisada por telefonema anónimo, obrigou o piloto a fazer uma aterragem forçada” (Portugal);

“Como noticiamos ontem, o fato mais pitoresco da semana foi o bebê raptado pela aeromoça da Air France. Depois da decolagem, a torre de controle, avisada por telefonema anônimo, obrigou o piloto a fazer uma aterrissagem forçada” (Brasil).

São oito divergências em tão poucas linhas! É a deixa para os defensores do acordo: “Basta! Se usamos o mesmo idioma, vamos escrevê-lo da mesma forma! Que venha a reforma — e já!”. Ora, é importante que meu bom leitor fique sabendo que as oito diferenças apontadas acima vão permanecer, mesmo que nos empurrem a “nova ortografia” goela abaixo. Vou dividir essas diferenças em três grupos, para maior comodidade de explanação.

Em primeiro lugar vêm as diferenças morfológicas: descolagem (decolagem), controlo (controle) e aterragem (aterrissagem) são variantes permitidas na estrutura do nosso léxico, da mesma forma que, entre muitos outros, patinagem (patinação), equipa (equipe), camião (caminhão), chuto (chute), aguarela (aquarela), altifalante (alto-falante), canadiano (canadense), bolseiro (bolsista), transplantação (transplante), fumar (defumar; um brasileiro ficaria perplexo se ouvisse que “Os índios costumavam fumar o peixe que pescavam”…). As escolhas feitas por Portugal já estão consolidadas, da mesma forma que as nossas, que coloquei entre parênteses — e não serão alcançadas por uma simples reforma ortográfica, a qual, como muita gente esquece, só pode regular o emprego das letras, dos acentos e dos sinais.

Em segundo lugar, vêm as diferenças lexicais. Assim como hospedeira de bordo e aeromoça, existem centenas de outros casos em que os dois países adotaram palavras diferentes para denominar a mesma coisa. Exemplos bem significativos, porque extraídos do quotidiano, são talho (açougue), claque (torcida), jante (aro de roda), travão (freio), biberão (mamadeira), tablier (painel do automóvel), mãos-livres (viva-voz), barbatana (pé-de-pato), berma (acostamento), penso higiénico (absorvente íntimo) penso rápido (bandeide), ecrã (tela de TV ou de cinema), agrafador (grampeador). Nossos irmãos do outro lado do Atlântico afagam o cimento do piso (alisam, nivelam) e assistem a retrospectivas de filmes dos impagáveis Bucha e Estica — para nós, o Gordo e o Magro.

Em terceiro lugar — e já não era sem tempo! — vêm as diferenças ortográficas: noticiámos (noticiamos), facto (fato), bebé (bebê) e anónimo (anônimo). Os burocratas dos dois países esfregam as mãos, exultantes: “Agora sim! Aqui, entramos nós! Agora vocês vão conhecer a força do carvão de pedra!” — mas nada acontece, pois, com uma espantosa e inexplicável atitude salomônica, o texto do Acordo permite que cada país conserve muitos de seus hábitos particulares, sem mudar um níquel! Portugal continuará a marcar com acento a 1ª pessoa do plural do pretérito perfeito (noticiámos, amámos, encontrámos), como sempre fez. O timbre do “e” e do “o” tônico das oxítonas fica a critério do falante: bebé (bebê), bidé (bidê), caraté (caratê), guiché (guichê), cocó (cocô — os portuguesinhos fazem cocó na fralda). O “c” de facto vai continuar ali onde está, pois o léxico dos portugueses distingue entre o facto (fato, acontecimento) e o fato, que significa “traje” (na verdade, o pai da nossa fatiota). Lembre, caro leitor, que lá na terra de Eça um fato-macaco é o que chamamos aqui de macacão — e se alguém pode rir, não somos nós, pode ter certeza; experimente declarar, numa roda de amigos portugueses, algo como “Por sorte eu sempre levo um macacão velho na mala do carro” ou “Minha filha passou todo o fim de semana com aquele macacão sujo”…

Por fim, o timbre das vogais tônicas “e” “o” (sempre elas!) das proparoxítonas também fica à vontade do freguês: anónimo (anônimo), efémero (efêmero), António (Antônio), fenómeno (fenômeno). Cá para nós: podemos acusar de tudo este Acordo, mas que ele é democrático, ah, isso ele é! E as mudanças, caro leitor? Onde estão elas? Veremos na próxima coluna.

[publicado em 05/07/2008 — A Reforma entrou em vigor em 2009 e veio confirmar tudo o que está escrito neste artigo, inclusive as críticas]

Categorias
Acordo ortográfico Artigos

O pesadelo de Cassandra[3° de 10]

Falávamos da nova ortografia; lembrei-me dos gregos. Eles acreditavam que os deuses haviam criado o homem para fugir ao tédio de sua vida infinita, pois lá de cima, do alto do Olimpo, eles observavam os mortais com o mesmo interesse e o mesmo deleite de uma criança diante da jaula dos macacos. Quando lhes dava na divina telha, distribuíam cá embaixo presentes e benesses; quando, no entanto, desaprovavam a conduta de alguém, condenavam o infeliz a castigos horríveis, porque absurdos. Sísifo é condenado a rolar, para sempre, uma pedra morro acima, sabendo — e aí bate o ponto! — que suas forças vão faltar um pouco antes de chegar ao topo; as Danaides vão carregar eternamente os seus cântaros com água, tentando encher um tonel que não tem o fundo; Ocno segue tecendo sua corda de junco, enquanto um asno obstinado vai devorando a outra ponta. São penas duríssimas, mas infernalmente criativas!

A famigerada reforma, no entanto, me lembrou Cassandra, a filha de Príamo, o derradeiro rei de Tróia. Com o poder de persuasão que têm as mulheres bonitas, ela insinuou a Apolo, o deus dos oráculos, que ele a teria em seu leito se lhe concedesse o dom de profetizar o futuro — o que ele se apressou em fazer, com a afobação ingênua que domina as mentes masculinas numa hora como essa. Quando Cassandra, em vez dos beijos e carícias esperados, despediu-se com um simples “obrigado”, o deus percebeu — mas que cena mais antiga! — que ela o tinha feito de bobo. Como não podia retirar-lhe o dom concedido, condenou-a, então, a um suplício terrivelmente original: embora ela pudesse prever os acontecimentos futuros, ninguém, absolutamente ninguém iria acreditar nela. Esse foi o seu inferno em vida. Ela podia ver que o horror se aproximava para tragar todos os seus, mas eles se mantinham indiferentes aos seus avisos. Quando Páris, seu irmão, partiu em busca de Helena, Cassandra avisou que a estrangeira traria a ruína de Tróia — mas apenas riram dela e a trataram como louca. Quando os gregos fingiram ter desistido da guerra e deixaram, na planície deserta, o famoso cavalo de madeira, foi em vão que ela alertou os troianos para o perigo que representava levá-lo para dentro dos muros da cidade. Como num pesadelo, ela passava o tempo todo lutando inutilmente para que ouvissem os seus gritos de alerta — tortura ainda mais desesperadora porque ela sabia que este era um sonho no qual ela jamais iria acordar. Apolo estava vingado.

Pois agora, lendo o que vem sendo publicado sobre a reforma ortográfica, acho que entendi todo o drama de Cassandra. Como num pesadelo, vejo brasileiros e portugueses falarem sobre ela com aquela mesma lógica absurda que preside os sonhos. É de enlouquecer! Alguns portugueses se queixam de que, com a reforma, o modo de escrever brasileiro vai prevalecer sobre o lusitano! Uns dizem que os possíveis incômodos são um preço pequeno para as vantagens que ela trará! Outros prevêem um maior poder político para nosso idioma, depois da “unificação”! — eu devo estar ficando louco! O Ministro da Cultura português, José António Pinto Ribeiro, defende as alterações para que possamos ter “uma política internacional comum para a língua” — o que quer que isso signifique! A presidenta da Câmara Brasileira do Livro, Rosely Boschini, acredita que o Acordo deve abrir fronteiras para as editoras nacionais no mercado africano, até agora submetido a Portugal! Carlos Alberto Ribeiro De Xavier (economista e ecólogo, apesar da partícula aristocrática de seu nome) é o funcionário do MEC que fala em nome de nosso governo; segundo ele, não procedem os boatos de que o Acordo acarretará a obsolescência dos livros já editados! — e eu devo estar delirando! O mesmo cidadão (gravem bem o seu nome!) sugere, ainda, talvez com um sorriso irônico, que os que se opõem à reforma talvez queiram perpetuar privilégios políticos… É de fazer bacalhau chorar em porta de venda! [meus leitores sabem quão comedido eu sou no emprego dos pontos de exclamação; é que sinto falta, aqui, daquele ponto de indignação proposto por Hervé Bazin]

Mas do que estão falando todas essas vozes? Discutem as vantagens, ou as desvantagens, da unificação? Mas que unificação, tia Chica? Hoje, em Portugal, escreve-se assim: “Como noticiámos ontem, o facto mais pitoresco da semana foi o bebé raptado pela hospedeira da Air France. Depois da descolagem, a torre de controlo, avisada por telefonema anónimo, obrigou o piloto a fazer uma aterragem forçada”. No Brasil, fica “Como noticiamos ontem, o fato mais pitoresco da semana foi o bebê raptado pela aeromoça da Air France. Depois da decolagem, a torre de controle, avisada por telefonema anônimo, obrigou o piloto a fazer uma aterrissagem forçada”. E depois do Acordo, como fica? Pasmem, leitores, mas nada será alterado nessas duas versões — elas serão mantidas assim como estão, tintim por tintim. Ué, e a prometida unificação, onde está? Aguardem, que o assunto dá tanto pano para manga que vamos ter de continuar na próxima coluna.

Depois do Acordo:

Tróia > Troia

prevêem > preveem

[publicado em 21/06/2008 — A Reforma, como a destruição de Tróia, acabou acontecendo em 2009. Agora, diante das muralhas destruídas, só nos cabe chorar a paz e a serenidade que perdemos]