Categorias
Lições de gramática Semântica

temporão

Prezado Doutor: sou uma grande apreciadora do Sua Língua, que mudou muito minha maneira de ver as coisas, pois agora começo a ver o que antes não enxergava. É o caso de temporão: eu sempre entendi esse vocábulo como alguma coisa que veio depois do tempo adequado, mas o dono da fruteira diz que pêssego temporão é o que fica maduro antes dos outros. Eu estava errada?

Paula A. — Fazenda Nova (PE)

 

Prezada Paula: temporão (do Lat. temporaneus) é um termo antigo que significava, precisamente, “antes do tempo”. Usado principalmente com referência a frutos e cereais, designava as espécies que amadurecem mais cedo que o habitual, sentido que se mantém até hoje no âmbito da agricultura: figo temporão, milho temporão, uvas temporãs (Bluteau). Da mesma forma, em sentido figurado, passou a se aplicar a fatos e acontecimentos ocorridos antes do tempo: o dicionário de Morais cita “Casar temporão” (cedo); o de Domingos Vieira traz “Começar temporão” (mais cedo que os outros) e “homem temporão para o ofício” (muito moço, não maduro). Há trechos felizes da tradição literária que deixam bem claro o sentido primitivo. O sempre oportuno padre Vieira escreve, no seu Sermão VIII de Maria Rosa Mística: “Aqui vos ofereço, Senhor, juntos neste dia todos os frutos de todo o ano, assim os velhos como os novos, assim os temporãos como os serôdios”. Cem anos depois, no séc. XVIII, João Ferreira de Almeida, o mais famoso tradutor da Bíblia para nosso idioma, assim traduz Jeremias, 5:24: “Temamos, agora, ao Senhor, nosso Deus, que dá chuva, a temporã e a tardia, a seu tempo”. No séc. XX, o modernista Mário de Andrade, no seu O Poeta Come Amendoim, continua a usar o termo com o mesmo sentido:

“Porém o desastre verdadeiro foi embonecar esta república temporã.
A gente inda não sabia se governar…”

No entanto, minha prezada Paula, já sabemos que as palavras têm os limites extremamente elásticos; não adianta fincar pé e defender com unhas e dentes a pureza do significado primitivo. As palavras vão significar o que os usuários quiserem que elas signifiquem. É claro que não me refiro ao usuário individual, eu, tu ou aos meus poucos leitores, mas àquela procissão infinita de gerações que vai distendendo o tecido semântico da palavra para que nela caibam outros significados. Assim como a falta de maisena, na despensa, leva a cozinheira a experimentar um pouco de farinha de trigo na receita, assim a falta de um vocábulo para expressar determinada nuança da realidade pode nos levar a usar um que já existe, mais ou menos parecido. O falante comum precisava de um termo que significasse, de maneira mais abrangente, “aquilo que acontece fora do seu tempo próprio” (não importa se antes ou depois); para esse fim, nosso léxico nos oferece extemporâneo, mas é vocábulo de feição erudita, fonológica e ortograficamente. Poderia, talvez, ter surgido aqui um novo vocábulo, cognato de tempo, mas o tradicional temporão já estava ali, disponível, dando sopa — e eis-nos hoje a usar esse vocábulo tanto para o cedo, como para o tarde. Enquanto os textos médicos do século XIX usavam temporão como sinônimo de prematuro, hoje, no seio da família brasileira, por exemplo, entende-se filho temporão como aquele que nasce depois que seus irmãos já estão crescidos (o que, em algumas regiões, é chamado delicadamente de “rapa do tacho”).

Ora, se temporão ainda conserva, para uns, seu significado primitivo, mas para outros já passou a incluir também a idéia de tardio, nós só podemos utilizá-lo se tomarmos a precaução de deixar bem claro o que estamos querendo dizer. Quando se ouve falar no carnaval temporão de Belo Horizonte, realizado em maio, a mente da maioria dos leitores vai escolher a interpretação de tardio; mas, e o carnaval temporão realizado em novembro, em outras cidades do país? Ele está adiantado ou atrasado? E a manchete de um caderno de viagens, “Turistas são surpreendidos por frio temporão” — o frio veio antecipado, ou já não era mais época de fazer frio? Como vês, Paula, tu estavas certa, mas o dono da fruteira também. Abraço. Prof. Moreno

P.S.: Em Espanhol, temprano é “cedo”. Para os que gostam de vinho, lembro que uma variedade de uva vinícola que começa a fazer sucesso na Espanha e na América do Sul é o tempranillo, assim chamado por causa de sua característica temprana (leia-se “temporã, precoce”).

Depois  do Acordo: idéia> ideia

Categorias
Etimologia e curiosidades Isso e aquilo

extemporâneo e intempestivo

Com relação a esses dois termos, derivados de tempo, uma leitora de São José dos Campos, que atua no Judiciário, pergunta se podemos estabelecer a seguinte diferenciação: (1) extemporâneo tem o sentido de ANTES do decurso do prazo; (2) intempestivo, o sentido de APÓS o decurso do prazo. O simples fato de ter sido levantada essa questão sobre o significado de extemporâneo e de intempestivo já aponta para a existência de um daqueles nós semânticos tão freqüentes nas línguas naturais. Um dicionário moderno como o Aurélio-XXI simplesmente se exime de enfrentá-lo. Para extemporâneo, traz “(1) que está ou vem fora do tempo próprio; inoportuno; (2) que não é próprio do tempo em que se faz ou sucede” . Para intempestivo, traz “(1) fora do tempo próprio; inoportuno; (2) súbito, imprevisto, inopinado” . Estamos chegando à perfeição daquele lendário padre do Nordeste, que colocou, no seu desastrado dicionário: “zero — vide O“, e lá na letra O, é claro, “O — vide zero” .

Não quero, com isso, criticar o Aurélio, que durante muitos anos foi o melhor dicionário que podíamos consultar; pretendo apenas lembrar as limitações naturais de um dicionário que fica entre o pequeno e o médio (mais para o primeiro que o segundo). Em obras assim, muitas palavras que o uso distingue perfeitamente são registradas como sinônimas. Enquanto não tivermos um grande dicionário da Língua Portuguesa (como o Oxford English Dictionary, por exemplo), só vamos encontrar as diferenças entre palavras assemelhadas em obras como o Dicionário de Sinônimos, de Antenor Nascentes, ou o Dicionário dos Sinônimos Poéticos e de Epítetos, de Roquete e Fonseca, que ficaram incompletos com a morte de seus autores.

Se voltarmos ao Latim — uma viagem sempre instrutiva —, veremos que inicialmente um vocábulo não tinha nada a ver com o outro. Extemporâneo (de ex tempore — “em seguida, imediatamente”) significava “súbito, sem premeditação, sem preparativos, no calor da hora”; aparece muitas vezes usado em textos de retóricos como Cícero e Quintiliano, falando de poetas e oradores que tinham a capacidade de “fazer discursos extemporâneos” ou compor “versos extemporâneos” (entenda-se: de improviso). Mais tarde, como tempore significava também “o momento adequado, oportuno”, formou-se temporaneus para designar “o que vem ou acontece no momento certo, adequado”. Interessante notar que, na Vulgata, aparece “chuva extemporânea” em oposição a “chuva serôdia” (tardia), o que sugeriria que o vocábulo significava “fora e antes do tempo adequado”. 

Por sua vez, tempestivus era o adjetivo usado pelo Latim para designar o tempo ideal para algo acontecer, o tempo favorável, oportuno, o momento adequado — um conceito herdado dos Gregos, que acreditavam que havia um tempo ideal para cada coisa, similar à bela idéia contida no “maduro” dos agricultores (não se colhe antes, nem depois; antes, está prematuro; depois, está passado). Seu antônimo, intempestivus, indicava o que acontecia na hora errada, fora da hora adequada; o que era inoportuno, inconveniente. Assim, falava-se de parto intempestivo para indicar o que chamamos atualmente de prematuro.

No Português do passado, extemporâneo guardava o mesmo significado que tinha no Latim. Para o velho Morais, significa algo “dito, ou feito extemporaneamente, de repente, d’improviso. Poeta extemporâneo: o que improvisa, improvisador. Orador extemporâneo: que arenga e vai orar de repente, sem estudar, nem compor previamente o discurso que recita”. Lacerda (1868) diz o mesmo: “feito sem prévia preparação; de improviso. Poeta, orador extemporâneo.” E acrescenta um detalhe curioso: na Farmacologia da época, chamavam-se de extemporâneos “os medicamentos que só devem ser preparados no instante em que os administram” — algo assim como o popular “feito na hora”. Caldas Aulete, do início do século, no entanto, já amplia o alcance do vocábulo. Além do sentido acima, acrescenta: “Que não é próprio do tempo em que se faz ou sucede: Este pedido é extemporâneo. Este acontecimento agora seria extemporâneo.” .

Por sua vez, intempestivo era definido por Morais como “fora do tempo: fruto intempestivo, lágrimas intempestivas, conselho intempestivo, morte intempestiva”. Ele continua: “antecipado ou posterior, fora do tempo, estação, ocasião oportuna. A noite intempestiva, por morte antecipada — Camões, Écloga I”. Lacerda repete a definição e o exemplo. Aulete não especifica se é antes ou depois: apenas que sucede ou se realiza fora do tempo próprio, fora da ocasião oportuna: inoportuno. Entretanto, os exemplos que apresenta no seu verbete sugerem que o termo também se aplica ao que vem antes da hora: ” Temi desagradar-lhe opondo intempestivo àquele seu consórcio o nosso amor tão vivo (Castilho)./ Fig.: Inopinado: Morte intempestiva”.

Como se pode ver, na segunda metade do século passado ambos os vocábulos começavam a ser usados para designar a mesma coisa: aquilo que fugia ao momento adequado para acontecer. José Veríssimo, na sua História da Literatura Brasileira, usa extemporâneo como ultrapassado: ” …de fundo próprio, quer de erudição, quer de pensamento, pouco havia do autor destes livros, onde se continuavam extemporaneamente sistemas críticos já ao tempo obsoletos”. Machado, em Esaú e Jacó, usa intempestivo como “prematuro”, ao intitular o capítulo XXVII de “Uma Reflexão Intempestiva” e comentá-lo, bem a seu estilo: 

Aqui entra uma reflexão da leitora: “mas se duas velhas gravuras os levam a murro e sangue, contentar-se-ão eles com a sua esposa? Não quererão a mesma e única mulher?” O que a senhora deseja, amiga minha, é chegar já ao capítulo do amor ou dos amores, que é o seu interesse particular nos livros” . 

Aos poucos, o significado primitivo de extemporâneo (“de improviso”) foi ficando esmaecido, ao mesmo tempo em que se consolidava o atual significado de “fora do tempo” — talvez porque, ao compará-lo a contemporâneo, seja fácil para o falante “enxergar” o prefixo ex– (“fora”, como em exportar, expelir, expulsar, etc.). Enquanto isso, intempestivo, talvez por falsa associação com “tempestade”, ou “temperamental”, foi-se despindo de sua idéia temporal, tendo assumido, erroneamente, para o homem comum, o significado de “violento, irado” . Se não acredita, pergunte a dez pessoas o que elas entendem por “ele entrou em cena intempestivamente” — vai ver que nove delas dirão que foi uma entrada furiosa. A definição anódina e quase idêntica que consta no Aurélio para os dois vocábulos reflete exatamente o atual estado de confusão entre eles.

No mundo específico do Direito, contudo, uma rápida pesquisa entre advogados e magistrados — onde destaco o precioso depoimento do juiz Túlio de Oliveira Martins, assíduo colaborador e crítico implacável de tudo o que publico neste sítio — mostrou-me que essas palavras seguiram rumo diferente. Em princípio, tudo o que está fora do tempo seria extemporâneo (seja antes, seja depois). Intempestivo, por sua vez, designa aquilo que é extemporâneo, mas depois do prazo. É uma distinção fundamental, dada a natural importância que a observância dos prazos tem para o Direito. Como não costumo entrar em seara alheia, prefiro deixar falar o Dr. Túlio: 

“É importante observarmos que aquilo que é intempestivo deve ser necessariamente sancionado processualmente, dentro do princípio de que o Direito não socorre a quem dorme (a parte deixou precluir seu prazo); contudo o que é extemporâneo pode sofrer a mesma sanção, na dura lei, ou ser considerado um pecado venial pelo juiz que preside o feito (hipótese em que o ato se completará, pelo princípio geral do poder cautelar do juiz na condução do processo).” 

Segundo o costume, será chamado de extemporâneo, por exemplo, um laudo pericial apresentado antes da audiência (quando deveria sê-lo na própria solenidade ou após, no prazo concedido). Por outro lado, quando se encontra o vocábulo intempestivo numa sentença ou acórdão, lê-se automaticamente como sinônimo de serôdio (“tardio”, como vimos acima, no exemplo retirado da Vulgata) ou desatempado (palavra bravia, essa!). Portanto, para o Português usado no Direito — ao menos aqui no sul do País —, extemporâneo e intempestivo são sinônimos que estão naquela relação especial que a Lingüística chama de hiponímia: todo A é B, mas nem todo B é A; todo intempestivo é extemporâneo, mas nem todo extemporâneo é intempestivo

Depois do Acordo: freqüentes > frequentes

idéia > ideia

Lingüística > Linguística