Categorias
Formação de palavras Lições de gramática

cabeçada e cabeceada

A diferença entre “dar uma cabeçada na trave” e “dar uma cabeceada na trave” é a dor que você vai sentir.

Prezado Professor Moreno: eu gostaria de saber se existem os vocábulos cabeçada e cabeceada. Quando batemos com a cabeça acidentalmente em alguma coisa, dizemos “ele deu uma cabeçada na porta”; entretanto, no futebol, comumente ouvimos, e inclusive falamos, “Pelé cabeceou a bola”; eu já ouvi inclusive narradores dizerem “Oséas cabeceou a trave”. Ambas as formas estão corretas, ou cada uma tem uma função específica?”

Marcos Iolovitch

Meu caro Marcos: embora venha tudo de cabeça, são duas coisas diferentes. Em cabeçada (cabeça + ada), atua o sufixo –ada, que tem, neste caso, o sentido de “golpe dado com” — pernada, patada, joelhada: “Ele vinha distraído e deu uma joelhada/cabeçada na porta”. 

Em cabeceada, temos o particípio do verbo cabecear, que, no caso do futebol, significa “impulsionar com a cabeça”; é formado da mesma maneira que passeada (de passear), bloqueada (de bloquear), freada (de frear). Essa transformação do particípio/adjetivo em substantivo é um dos processos mais usados atualmente para formar abstratos deverbais: “Vou dar uma olhada“, “Dá uma lida nisso”, “Vou fazer a chamada dos candidatos “. 

Ora, se o jogador cabeceou a bola, ele deu uma cabeceada… Se eu ouvir que ele “deu uma cabeceada na trave”, vou entender que ele aparou a bola com a cabeça e a enviou contra a trave; no entanto, se ele “deu uma cabeçada na trave”, houve o choque de algo duro com algo mais duro ainda. Abraço. Prof. Moreno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.