Categorias
Através dos dicionários Destaque Etimologia e curiosidades Origem das palavras

Férias no dicionário

Edu sáb ago 2015

Veja como um bom dicionário pode transportar seus filhos para um mundo de aventuras e descobertas.

Para aqueles que, como eu, ainda têm criança em casa, a segunda metade de julho é a época ideal para chegar mais perto dos petizes e compartilhar com eles alguns breves mas preciosos momentos culturais (suspeito, às vezes, que o prazer seja bem mais nosso do que deles, mas não faz mal: todos vão sair ganhando). Se não tiver um bom livro ou um bom filme à mão, aconselho a recorrer ao dicionário, que tantas aventuras pode oferecer. Quer ver como é fácil, leitor? Pois há dias se ouve aqui em casa (muito mais vezes, confesso, do que eu gostaria) a música Pomar, do incomparável grupo Palavra Cantada ― uma composição infantil bem ritmada em que desfilam todas as frutas conhecidas e as árvores que as produzem (“mamão, mamoeiro; banana, bananeira; pera, pereira…”). O que dá para tirar daí? Muito mais do que se pensa, como vamos ver.

Primeiro, tenho certeza de que nosso pequeno ouvinte não ficará indiferente ao ser informado de que, em nossa língua, a árvore sempre tem o mesmo gênero que sua fruta: abacate, abacateiro, mas laranja, laranjeira, e que este princípio vale para todas elas ― com a enigmática exceção do figo, que nasce na figueira. Como esse é um caso único entre centenas, temos aí um bom pretexto para voltar ao passado, no período em que a nossa e as demais línguas românicas se formavam ― quando descobriremos que, no Catalão, a fruta também é feminina (una figa). Não fica difícil, assim, defender a ideia de que o Português preferiu dar o gênero masculino à fruta para distinguir da figa, aquela mãozinha sem-vergonha com o polegar enfiado entre o dedo médio e o indicador, gesto usado tanto para afastar o mau-olhado quanto (tirem as crianças da sala!) para sugerir aquilo que Luzia foi fazer na horta.

Em seguida, que tal uma história de sangue e horror, daquelas que sempre agradaram aos pequenos? Que tal contar-lhes a lenda do Papa-Figo, o velho sinistro que raptava meninos para extrair-lhes o fígado, usado na tentativa de cura de um ricaço leproso? E explicar que o tal velho papão devia se chamar, na verdade, Papa-Fígado, mas que esse Papa-Figo popular não é tão errado como parece, porque figo e fígado nasceram juntos, na mesma hora e na mesma maternidade? Basta lembrar que era costume entre os romanos engordar os gansos com figos em passa, a fim de que sua carne ficasse com sabor mais refinado, e que a parte mais requintada era o jecur ficatum  (jecur, “fígado” + ficatum “com sabor de figo”). Com o tempo, o primeiro elemento se apagou e só restou ficatum ― exatamente como aconteceu com uma (linha) diagonal, um (dente) canino, uma (carta) circular, entre tantos outros.

Como um guia na floresta, você continua mostrando os caminhos que ligam pontos que pareciam tão distantes: o sobrenome Figueiredo que aparece na lista de chamada do colégio vem de um bosque de figueiras, assim como de árvore saiu arvoredo e de vinha saiu vinhedo. E mais ainda teria para contar, se não terminassem antes as férias, tão curtas, ou  a paciência dos filhos.

[A ilustração tem a marca registrada do genial Edu Oliveira]

Convido os amigos leitores a me acompanhar no grupo Sua Língua no Facebook, onde conversamos sobre tudo o que diz respeito a nosso idioma.

PORTUGUÊS AO VIVO – Acaba de entrar no ar o meu curso de Língua Portuguesa – aulas, exercícios e testes, todos gravados por este que vos escreve.

Categorias
Destaque Etimologia e curiosidades Origem das palavras

Azeite de oliva

Por que dizemos azeite de OLIVA, se ele vem da azeitona? E existe alguma diferença entre ÓLEO e AZEITE?

 

Como os médicos e os policiais, os professores de Português não podem deixar de prestar auxílio, quando solicitado, Desta vez foi num hotelzinho na serra, diante de um possante fogão a lenha. A proprietária, muito hospitaleira, tinha cozinhado para nós sua última reserva de pinhões desta safra e assistia, interessada, ao ritual da família — o escravo aqui a descascá-los no dente, e minha filha pequena a comê-los alegremente, sem remorso algum, com sal e azeite de oliva. Declarando-se leitora desta coluna — “Leio sempre o que o senhor escreve; fui professora primária e nunca perdi o gosto pelo Português” —, ela puxou da algibeira duas “dúvidas cruéis”: (1) por que a gente diz azeite de oliva e não de azeitona, e (2) por que usamos óleo, e não azeite, quando vem da soja. Prometi pesquisar (raramente me arrisco a responder assim, de bate-pronto, a perguntas sobre etimologia; as chances de fazer uma burrada, acredite, são imensas).

Pois vamos à primeira dúvida: do Latim oliva, introduzido pela dominação romana na Península Ibérica, veio o clássico oliva, usado inicialmente em Portugal e na Espanha. No entanto, quando os árabes entraram na região, no séc. VIII,  com eles entrou também o nome azeitona (az-zaituna), que passou a predominar sobre oliva. Este, apesar de substituído, ainda pode ser visto nas expressões “azeite de oliva” e “verde-oliva” (cor), além de participar, como radical, de oliveira, o que criou este exemplo raríssimo de árvore cujo nome não deriva, como as demais, do fruto que produz (figo:figueirapitanga:pitangueira; e assim por diante). Nos países que não tiveram a presença árabe, porém, o nome da azeitona até hoje é derivado da forma latina: olive (Ing.), olive (Fr.), oliva (It.).

A segunda pergunta também encontra sua resposta nesta dicotomia entre o Árabe e o Latim. Nosso óleo vem do vocábulo latino oleum (“azeite de oliva”), que entrou nos idiomas mais importantes do Ocidente — oil (Ing.), olio (It.), huile (Fr.), Öl (Al.) — para designar genericamente qualquer substância gordurosa em estado líquido. Contudo, por causa da influência árabe no mundo ibérico (muita gente esquece que os árabes conviveram com nossos antepassados por mais de sete séculos, do séc. VIII  ao séc. XV), o Português distingue o azeite (de az-zait, “azeite de oliva”) do óleo (daí o óleo diesel, o óleo de soja, de arroz, de rícino, de amendoim, de girassol, de milho, de canola, etc. — sem esquecer o terror das crianças da minha geração, o repugnante óleo de fígado de bacalhau). Esta dicotomia não existe nos outros idiomas, que denominam o nosso azeite de olive oil (Ing.), huile d’olive (Fr.), olio di oliva (It.) e Olivenöl (Al.).

Convido o amigo leitor a me acompanhar no grupo Sua Língua no Facebook, onde conversamos sobre tudo o que diz respeito a nosso idioma.

 

PORTUGUÊS AO VIVO – Acaba de entrar no ar o meu curso de Língua Portuguesa – aulas, exercícios e testes, tudo gravado por este que vos escreve

Categorias
Destaque

PORTUGUÊS AO VIVO – com Cláudio Moreno

Agora no ar! Clique aqui

INICIAL-pav

Categorias
Destaque Flexão nominal Lições de gramática

uma paradigma?

O gênero de um substantivo COMUM DE DOIS é definido pelo artigo que o acompanha:   O INTÉRPRETE e A INTÉRPRETE, O ARTISTA e A ARTISTA; já um substantivo SOBRECOMUM apresenta uma forma única, aplicável a ambos os sexos: A TESTEMUNHA (homem ou mulher). A qual desses dois grupos pertence o vocábulo PARADIGMA? E MODELO?

 

Assim que  recomeça a temporada dos concursos públicos, é natural que pipoquem por aqui algumas mensagens com perguntas extremamente específicas. A maioria eu respondo diretamente ao autor; uma que outra eu trago aqui, para compartilhar com vocês. Hoje eu trago a dúvida de Júlia K. (como regra de sobrevivência, sempre omito o sobrenome), concurseira de Florianópolis, que vai direto ao fígado: “Professor, paradigma é um substantivo comum de dois ou sobrecomum? Tenho um tratado de Direito do Trabalho, escrito por uma sumidade do ramo, que escreve uma paradigma. Pode isso?”.

Olha, Júlia, até pode ― mas depende do contexto, como vou explicar. Antes, porém, para proveito de todos, vou desconstruir tua pergunta (e não destruir, como alegou o advogado daquele megaempresário que, como dizem os lusos, está vendo o sol nascer aos quadradinhos…). Lembro, em primeiro lugar, que chamamos de comum de dois o substantivo que tem apenas uma forma (isto é, não flexiona), mas permite que se distinga o feminino do masculino com base no artigo, numeral ou pronome que o antecede: o/a policial, este/esta intérprete,  meu/minha cliente.

O substantivo sobrecomum, por outro lado, tem um gênero gramatical determinado (ele ou é masculino, ou é feminino), mas serve para designar pessoas de ambos os sexos. Um exemplo bem à mão é testemunha, vocábulo exclusivamente feminino (João é minha testemunha; as testemunhas da defesa são os onze jogadores do Palmeiras). Neste caso, se eu precisasse, por algum motivo, distinguir entre homens e mulheres, teria de lançar mão de outras palavras que fizessem o serviço: “As testemunhas femininas serão alojadas no colégio das freiras; as testemunhas masculinas ficarão no quartel”.

Ora, paradigma se enquadra neste último caso. Não custa lembrar que é um vocábulo masculino ― embora muita gente, por causa daquele “A” no final, caia na armadilha e escorregue, produzindo pérolas como “A literatura marginal tem por finalidade romper com as paradigmas estéticas vigentes”. Credo! Em segundo lugar, assim como seus colegas monstro, carrasco ou ídolo, entre outros, o termo é aplicável a ambos os sexos, indiferentemente: “Esta médica é um paradigma de honestidade” (assim como ela pode ser um modelo de eficiência ou um carrasco para seus subordinados).

Chegamos, finalmente, ao cerne da tua pergunta: “Uma paradigma? Pode isso?”. Pode, sim ― e exatamente no contexto do Direito do Trabalho, onde o empregado paradigma é o empregado que serve de base para a equiparação dos demais funcionários. O vocábulo, agora transfigurado, vai admitir flexão de gênero, marcando o feminino, se for o caso: “a paradigma indicada”, “designou uma paradigma falecida”, etc. É a mesma metamorfose que ocorre com modelo: “A médica é um modelo de eficiência”, mas “foi contratada uma modelo“, ou, como escreve L. F. Veríssimo, “Nenhuma modelo me fez mal, ainda. Mas elas simplesmente me apavoram. É aquele ar que elas têm”.

 

Convido os amigos leitores a me acompanhar no grupo Sua Língua no Facebook, onde conversamos sobre tudo o que diz respeito a nosso idioma.

PORTUGUÊS AO VIVO – Agora entra no ar o meu curso de Língua Portuguesa – aulas, exercícios e testes, todos gravados por este que vos escreve

Categorias
Destaque Etimologia e curiosidades Origem das expressões

arma branca

EDU - ARMA BRANCA

O punhal, a adaga, a espada, a lança, o escudo e a armadura fazem parte do conjunto que se convencionou denominar de “armas brancas”. O que têm eles em comum para merecer este nome?

Num jantar, no meio de uma discussão sobre o desarmamento, querem saber por que falamos em armas brancas (as quais, aliás, matam muito mais gente do que as armas de fogo, no Brasil) . Existiria arma preta? Na hora eu não soube responder; agora, depois de várias visitas ao amansa, posso dar meu palpite: a expressão nasceu com a evolução que a palavra arma sofreu desde a Antiguidade. Até a Idade Média, o vocábulo, além das armas propriamente ditas, incluía também a couraça, o escudo, as perneiras, o capacete e tudo o mais; quando se lê em Homero que Hefesto fez novas armas para Aquiles, imagine-se o pacote completo. A vulgarização do uso da pólvora, contudo, terminou colocando em desuso as armaduras e os escudos, e a palavra arma passou a ser entendida de forma mais restritiva, designando os artefatos que ferem ou matam a pessoa ou o animal atingido.

A partir do séc. XVIII, com o desenvolvimento da pistola, do arcabuz e do canhão, o conceito arma ganhou duas subespécies: as armas de fogo, que usam a energia da pólvora, e as armas brancas, geralmente dotadas de lâmina, que dependem da força e do braço humano. Bem nessa época, o dicionário de Bluteau (é de 1720) distingue as armas de fogo das armas brancas, chamadas assim, diz ele,  “porque eram de aço branqueado ou prateado” (é útil lembrar que branco vem do Germano blanck, “reluzente, polido, branco”, o que combina perfeitamente com a aparência do aço).

A expressão arma branca, portanto, nada mais é do que um dos primeiros exemplos de retronímia (ou retroformação, como querem alguns), processo hoje comuníssimo, típico deste século vertiginoso em que vivemos. Leite era leite, não importando de que mamífero viesse. Usávamos a mesma palavra tanto para falar nos banhos de leite de Cleópatra quanto nos rios de leite e mel que nos aguardavam na Terra Prometida. A sociedade industrial, no entanto, sempre generosa na hora de fornecer corda para o consumidor se amarrar mais um pouquinho, passou a oferecer o leite desnatado – e o vocábulo leite, sozinho, deixou de ser suficiente para designar aquilo que o bezerro mama, tendo de receber o auxílio do adjetivo integral. É o mesmo caso de “música ao vivo“: antes de inventarem os sistemas de gravação e reprodução de som, hoje tão banais, um restaurante que animasse o seu jantar com uma orquestra ou um trio instrumental jamais cogitaria em mencionar “ao vivo”, pois a música era feita por músicos de carne e osso, e ponto.

É assim que funciona: o surgimento de uma novidade deflagra a necessidade de rebatizar o termo antigo, genérico, acrescentando-lhe um especificador. Não raro o elemento novo termina “roubando” o termo para si, ficando o elemento antigo reduzido a uma simples subespécie. Por exemplo, se alguém contar aos netos que costumava cheirar uma fraldinha antes de dormir, é bom que acrescente “de pano”, pois fralda, hoje, designa o que inicialmente era chamado de fralda descartável ― algo que, como diria a Emília do Monteiro Lobato, é francamente “incheirável”. Era isso.

Ah, aproveito para convidar os amigos leitores a me acompanhar no grupo Sua Língua no Facebook, onde conversamos sobre tudo o que diz respeito a nosso idioma.

Categorias
Destaque Destaquinho Flexão verbal Lições de gramática Questões do momento

Chico também escorrega no Imperativo

As regras de formação do IMPERATIVO são tão artificiais que raríssimos são os brasileiros que conseguem navegar por essas águas turvas sem naufragar. Como veremos, nem Chico escapou dessa armadilha.

Prezado Doutor,  gostaria de parabenizá-lo por sua página na Internet.  Minha dúvida encontra-se na letra de uma música de Chico Buarque, compositor pelo qual tenho uma grande admiração. A referida música intitula-se Fado Tropical.  Sua primeira estrofe nos diz:

“Ó, musa do meu fado
Ó, minha mãe gentil,
Te deixo, consternado,
No primeiro abril.
Mas não sê tão ingrata,
Não esquece quem te amou
E em tua densa mata
Se perdeu e se encontrou
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

 Não deveria o ilustre compositor ter utilizado o imperativo negativo na forma mas não sejas tão ingrata? Ou será que a língua escrita em Portugal, notoriamente presente na letra da música, permite aquela outra construção? Agradeço sua atenção.”

João Marcelo ― Fortaleza

RESPOSTA ― Meu caro João Marcelo: o Chico — quem diria! — também tropeçou no imperativo, como seus colegas Gil e Mílton Nascimento (dá uma olhada em lê ou leia).  Na verdade, errou duas vezes: deveria ter escrito não sejas e não esqueças ( e esquece, como está na canção, são formas do imperativo afirmativo, não do negativo). Para tua informação, o imperativo em Portugal é igualzinho ao nosso, e os dois versos estão errados deste e daquele lado do Atlântico.

Agora, esse erro, vindo de quem vem ― o melhor letrista de nosso cancioneiro popular ― serve para confirmar duas teses (que eu defendo, aliás):

(1) o Imperativo negativo da 2a pessoa passou a ser, para a maioria dos falantes, idêntico ao afirmativo (volta, não volta; fica, não fica, etc.). Só não concordam com isso os gramáticos tradicionais ― e, por consequência, as bancas de concurso.

(2) não é qualquer um que pode encarar o tu e sair ileso. Vê só: nesse torvelinho, caíram três dos nossos maiores compositores da MPB!

_________________________________

Junte-se ao grupo Sua Língua no Facebook! Clique AQUI 

 

Categorias
Como se escreve Destaque Grafia de estrangeirismos Origem das palavras

espresso?

Os vocábulos importados são como estrangeiros que vêm morar no Brasil: uns já estão naturalizados, outros aguardam o deferimento do pedido e outros, finalmente, vão viver aqui sem mudar sua cidadania de origem.

Num ponto qualquer do litoral de Santa Catarina, pelas asas da internet, chega-me o pedido de ajuda de uma pessoa que me é muito cara: Elisa Prenna, dona do Chicafundó (não por acaso, o meu restaurante preferido), gostaria que eu respondesse, em nome dela, a um de seus frequentadores que reclamou do restaurante — não da comida, que é impecável, mas do Português empregado no menu que ela envia semanalmente por email. Inconformado com o café espresso que o Chica (assim chamado pelos mais íntimos) oferece ao fim de cada refeição, o amigo Cafezinho (à falta de um nome, vou chamá-lo assim), num estilo de dar inveja a qualquer espartano, escreveu: “Erro no fôlder. Expresso é com x. Favor verificar antes de enviar material divulgativo”. Elisa, que nunca cometeu a grosseria de ignorar uma manifestação de cliente seu, fez uso então de um velho contrato tácito que existe entre nós dois: ela me ensina a forma correta de queimar o açúcar do crème brûlée e eu, em troca, oriento seus passos nos pontos mais obscuros do vernáculo.

O problema, meu caro Cafezinho, é que muitos termos culinários estrangeiros ainda não foram (se é que um dia o serão) aportuguesados, como já aconteceu, por exemplo, com os termos usados no futebol. Fique tranquilo, que isso é natural: em todas as línguas do mundo, o vocabulário relativo à cozinha é como aquele espaçoporto do filme Guerra nas Estrelas, em que convivem representantes de todas as galáxias. No nosso caso, a situação dos termos que ingressam em nosso léxico é muito semelhante à dos indivíduos estrangeiros que vêm para o Brasil: uns já estão naturalizados, outros aguardam o deferimento do pedido e outros, finalmente, vão morar aqui sem alterar sua cidadania de origem.

Para não fugir do Chica, fui à sua página na internet (www.chicafundo.com.br) para colher exemplos. Dos que já foram aportuguesados, encontrei pudim, lasanha e nhoque (de pudding, lasagna e gnocchi, respectivamente). Do segundo caso, achei tortilla (tortilha), champignon (champinhom), goulash (gulache), curry (caril) e capuccino (capuchino) — as formas no parêntese já estão dicionarizadas, mas vai demorar muito até serem aceitas pela maioria dos falantes que conhecem esses alimentos. Finalmente, com pouquíssimas chances de vir a ser nacionalizadas, temos paella, chutney, bavaroise, couvert, pizza (as duas formas alternativas até agora propostas, piza e pitza, não convenceram), e sushi (adaptado ao nosso sistema ortográfico, só poderá dar suxi, que, convenhamos, é de fazer bacalhau chorar em porta de venda).

Seguindo o segundo modelo, não há dúvida de que espresso poderá um dia ser nacionalizado para expresso, como já vem ocorrendo em restaurantes mais populares. Ouvi, num bar da Rodoviária, alguém reclamar do tempo de espera: “Se é expresso, por que demora tanto?”. Ele certamente ignorava que o espresso, aqui no Italiano, não significa “rápido”, mas sim que o café foi feito sob pressão, numa máquina especial. Os estabelecimentos mais sofisticados, naturalmente, resistem a expresso assim como resistirão por muito tempo a champinhom ou a capuchino.

_____________________________

 

 

Junte-se ao grupo Sua Língua no Facebook! Clique AQUI 

 

Categorias
Acentuação Destaque

xiita ou xiíta

As regras de acentuação do Português são aplicadas em níveis diferentes. É por isso que XIITA não é acentuado como SAÍDA ou JESUÍTA, e DESTRÓIER mantém o acento que JIBOIA e PARANOIA perderam com o Acordo.

A regra que determina que o I tônico nos hiatos receba o acento agudo, como ocorre em saída ou ruído, não deveria ser aplicada para se acentuar o vocábulo xiita?

Luiz Fernando R. – Petrópolis (RJ)

RESPOSTA — Meu caro Luiz Fernando: realmente, o segundo I de xiita parece atender às três condições necessárias para que nele se aplique a regra do hiato: (1) é tônico, (2) vem depois de uma vogal e (3) está sozinho na sílaba. Acontece que esta regra — sem dúvida, uma das mais importantes de nosso sistema ortográfico, antes e depois do Acordo — não se aplica SE AS DUAS VOGAIS FOREM IDÊNTICAS. Nunca se deu muita atenção a esta ressalva porque as palavras envolvidas são raras e de uso pouco frequente, como vadiice, mandriice, paracuuba ou sucuuba. Na última década, no entanto, o vocábulo xiita — não no seu sentido original, para designar uma das correntes mais importantes do Islamismo, mas no sentido alternativo de “radical, ortodoxo” — passou a ser amplamente empregado no Brasil, o que torna bem oportuna a tua pergunta.

 P.S.: “E seriíssimo, como ficaria? Não temos aqui vogais idênticas?” —  pergunta Plínio N., membro do grupo Sua Língua, do Facebook.

RESPOSTA: seriíssimo, como toda proparoxítona, leva acento obrigatório; por isso mesmo, não vai ser examinada pela regra do I e do U, que ficam num nível inferior. Existe, no nosso sistema de acentuação, uma hierarquia de regras que pouca gente conhece. Funciona assim: no primeiro nível, opera a regra das proparoxítonas; toda palavra que se enquadrar nela será acentuada, e estamos conversados. As que escapam à primeira vão ser examinadas pela regra seguinte, das oxítonas e paroxítonas; novamente, as palavras atingidas por ela receberão acento, e estamos conversados. Finalmente, os vocábulos que não forem acentuados por estas duas regras passam pela terceira e última etapa, que reúne (1) a regra dos ditongos abertos em oxítonas (fiéis, dói) e (2) a famosa regra do I e do U em hiato. Exemplificando: bau e bauru são ignoradas pela primeira (não são proparoxítonas) e pela segunda regra (oxítonas terminadas em U não levam acento), mas na terceira etapa baú ganha acento, da mesma forma que saúde ou gaúcho.

Foi aqui que a ABL lamentavalmente derrapou: como o atual Acordo reformou a regra dos ditongos abertos (ficam acentuados só os oxítonos; os demais perdem o acento: heróico e paranóia tornam-se heroico e paranoia, por ex.), a primeira edição do VOLP eliminou erradamente o acento de destróier, sem se dar conta (mais tarde voltaram atrás) de que este vocábulo já tinha sido acentuado no segundo nível (é uma paroxítona terminada em R, como dólar  e éter).

Junte-se ao grupo Sua Língua no Facebook! Clique AQUI 

 

 

Categorias
Como se escreve Destaque Flexão nominal

xeica

Xeica - EDU

De uma leitora de Curitiba, Palmira G., veio a pergunta que hoje respondo com especial carinho (ela lecionou Português durante quarenta anos, e, mesmo aposentada, nunca deixou de ensinar o amor ao idioma aos filhos e aos netos): “Sempre que eles têm dúvida, recorrem a mim, mas dessa vez eu fiquei devendo: minha neta mostrou uma notícia que fala de uma xeica que veio nos visitar. Isso existe, professor? O senhor não acha horrível?”. Acho horrível, sim, dona Palmira, mas se a senhora acompanhar minha explicação, verá que existe uma hipótese muito, mas muito pior.

Vamos começar com sheik, termo de origem árabe que serve para designar uma autoridade cuja gradação pode ir do simples chefe de clã ou tribo até chegar a um príncipe ou mesmo a um rei. Em vários países islâmicos ― e, em especial, nos Emirados Árabes ―, as mulheres da mesma hieraquia recebem o título de sheikha. A notícia que a senhora leu seguramente devia tratar da sheikha Mozah bint Nasser Al Missned, esposa do emir do Catar, que esteve no Brasil no ano que acabamos de encerrar.

Como o Árabe usa um alfabeto que não é o romano, o vocábulo, ao ingressar no Ocidente, foi transliterado das mais diferentes maneiras: jeque (Esp.), sceicco (It.), Scheich (Al.), cheik (Fr.), sheikh (ou sheik, as preferidas do Inglês, embora o portentoso Oxford English Dictionary registre mais outras dezenove variantes). No Português, como não poderia deixar de ser, a forma tradicional sempre foi xeque  (adotamos sempre a letra X para essas transliterações: xampu, xerife, xarope, Xerazade).

Desde o séc. 16, as páginas de Camões, de João de Barros e de Fernão Mendes Pinto estão repletas de xeques, e assim vivemos muito bem até que Hollywood (e depois a rede Globo) puseram em voga por estas bandas o sheik do Inglês. Nos anos 20, as brasileiras suspiravam quando Rodolfo Valentino, o eterno latin lover, corria pelo deserto, com o albornoz ao vento, nos filmes O Sheik e O Filho do Sheik; quatro décadas depois, nos anos 60, foi a vez da TV brasileira reaproveitar o cenário “romântico” do deserto para lançar a novela O Sheik de Agadir, que fez um grande sucesso na época. Por influência direta dessa forma inglesa, terminou surgindo a variante xeique, menos usada mas também registrada nos bons dicionários.

Agora a senhora vai me entender: a esposa do emir de Catar vem ao Brasil; o repórter, no que fez muito bem, não quer usar a forma inglesa, com o seu exótico SH e, pior ainda, com o KH, cacófato próprio para piada. O que faz ele? Vai ao dicionário e encontra duas opções, xeque ou xeique. Como se trata, porém, de uma dama, ele sabe que precisa usar o vocábulo no feminino. E aí? Existe outra saída? A senhora terá de concordar que, afinal, até que xeica não é tão horrível assim…

Junte-se ao nosso grupo no FACEBOOK: www.facebook.com/groups/sualingua

Categorias
Destaque Etimologia e curiosidades Origem das expressões

Abre-te, sésamo!

Quem está acostumado a usar senhas na internet vai entender perfeitamente o sentido da expressão “Abre-te, sésamo”. Aproveito, caro leitor, para lembrar que Ali Babá não CHEFIAVA os 40 ladrões; bem pelo contrário, ele FUGIA deles, e quase foi por eles assassinado.

Um antigo aluno, hoje leitor assíduo desta coluna, vem fazer uma pergunta que, segundo ele, já deveria ter feito há muito tempo: “Um folheto de propaganda que recebi argumenta que os cursos de MBA  têm a vantagem de acrescentar ao currículo três letras que soam como um abre-te Sésamo. Minha dúvida não é quanto ao sentido, que me parece claro: o MBA é um título acadêmico que abre portas, como na história de Ali Babá e seus quarenta ladrões; o problema é esse Sésamo. Sempre usei a expressão sem saber quem era ele; li em algum lugar que podia ser um jumento que acionava o mecanismo da porta, mas achei esta versão idiota demais. E o senhor, o que diz?”.

Pois eu digo, em primeiro lugar, que também já li essa pitoresca (e risível, vamos combinar) versão de que haveria um jumento chamado Sésamo, sempre a postos para abrir ou fechar a caverna do tesouro. Realmente, por ser grafado erroneamente com essa inicial maiúscula, pode passar a impressão de se tratar de um nome próprio ― e aí entra a fantasia: nome de quem? Como a história não menciona nenhum personagem a servir de porteiro, um burrico seria uma hipótese plausível no contexto das 1001 Noites. Note-se, porém, que o imperativo não é “abre”, mas “abre-te”, o que seria muito estranho se fosse dirigido a qualquer ser vivo.

Na verdade, o sésamo (com minúscula) nada mais é do que aquele grãozinho comestível que também atende no Brasil pelo nome de gergelim. Quando pronto para colher, o capucho que contém os grãos estoura ao mais leve contato, produzindo um estalo, dizem, similar ao da lingueta de uma fechadura ao ser acionada. Como se vê, o abre-te,  sésamo ― a vírgula é indispensável, pois temos aqui um vocativo ― foi muito bem escolhido por Xerazade, a princesa que narra a história, para constituir as palavras mágicas que davam acesso ao esconderijo dos salteadores. O irmão invejoso de Ali Babá, Cassim, foi apanhado pelos ladrões com a boca na botija justamente porque, na hora de sair, apavorado, esqueceu a palavra certa e trocou o sésamo por cevada, centeio, trigo e outros grãos comestíveis ― o que, evidentemente, não funcionou, como sabemos nós, acostumados à inexorável objetividade das senhas e das palavras-passe que usamos na internet.

Por fim, uma pequena informação adicional que não pediste, mas que sempre servirá para alguma coisa: a história fala de Ali Babá e os quarenta ladrões, não de Ali Babá e seus quarenta ladrões. Os ladrões não são chefiados por Ali Babá, que é a vítima; bem ao contrário: eles passam a persegui-lo no momento em que percebem que o pobre carvoeiro descobriu o segredo da caverna, e só não o matam por detalhe. Faço questão de esclarecer esse ponto fundamental porque andei lendo, não faz muito, um confuso jornalista que, comentando a roubalheira do Planalto, dizia que, descobertos os ladrões, só faltava agora prender o Ali Babá…

Junte-se ao nosso grupo no FACEBOOK: www.facebook.com/groups/sualingua